Arquivo de junho, 2012

Ontem 25 de junho de 2012, a Reitoria e sua comissão de negociação, entregaram a nossa comissão de negociação de greve um documento intitulado “Proposta preliminar-em negociação”.Tal documento tem a intenção de demonstrar por parte da Reitoria, alguma iniciativa para responder as pautas estudantis da greve. Veja o documento aqui Escaner

O que pode-se constatar da parte d@s estudantes  por meio deste documento, é que a administração da Universidade não se compromete em definitivamente com nada do que @s estudantes reivindicam em sua greve.

Não podemos deixar de observar que esta não é uma prática nova da Reitoria. No ano passado (2011) em nossa greve, passamos mais de 20 dias “negociando” (ou ouvindo o blá, blá, blá da Reitoria) . Para justificar sua inoperância no que tange atender as demandas estudantis a Reitoria joga a responsabilidade em outras instâncias, desconversa se fazendo de desentendida (repetidas vezes a Reitoria alega não entender nossas pautas) e quando não tenta nos convencer que nossas demandas já são atendidas por nossa “maravilhosa” administração.

Como citado ano passado ficamos mais de 20 dias “negociando” com a Reitoria, que resolveu “entender” ou responder o que estávamos a reivindicar, logo no quarto dia de ocupação de Reitoria.

Parece que os movimentos do ano passado foram importantes para o acumulo nas lutas e para o aprendizado d@s lutadores: contra as burocracias temos somente uma arma a Ação Direta,é com ela que podemos obter conquistas, e somente com elas que conseguimos estabelecer um “diálogo” para “negociar” nossas demandas. É da força organizada  d@s “de baixo” que vem a nossa força, e somente esta pode garantir as conquistas. Não podemos contar com  a boa vontade dos gestores/as do Estado, afinal, não são estes/as que se propõem a gestionar o desmonte e sucateamento de nossa Universidade. Desta forma não devemos nos iludir com a fraseologia dos administradores e de seu declarado “compromisso” com nossas demandas.

Somente pela força que vem das bases, organizada em luta podemos garantir as transformações que almejamos para nossa Universidade, elas interessam ao conjunto d@s estudantes e são estes mesmos que devem arranca-las da burocracia com suas próprias mãos,  pela forma que os “de baixo” sempre fizeram, pela Ação Direta, ou seja pelos seus próprios atos, onde @s protagonistas somos nós @s estudantes em Luta!

Aguardamos, ansiosos os resultados da reunião de hoje (26 de junho) de nossa comissão de negociação junto a Reitoria, desejamos que o blá,blá, blá não se repita,porém sabemos em que termos podemos obter  uma negociação positiva junto a Reitoria.

Tod@s a Assembleia dia 27 de junho,18:30 h, no R.U. Central

Nesse sentido, é importante ressaltar a necessidade que tod@s @s estudantes compareçam a assembleia para discutirmos juntos o que faremos frente ao descaso da Reitoria com nossas demandas!

Na próxima quarta, às 18:30, ocorrerá a V Assembleia Geral de Estudantes da UFPR. Contamos com as participação de todos os estudantes!

Pautas:
Informes da greve
Avaliação da proposta da Reitoria
Discussão dos destaques da pauta nacional

Onde: RU Centro

Quando: quarta 27 de junho as 18:30

http://www.facebook.com/events/373501122717856/

É abaixo e a esquerda que derrotamos a Burocracia!

Publicado: junho 26, 2012 em Sem categoria

É abaixo e a esquerda…

Por todo o Brasil, desde o dia 17 de maio, as IFES (Instituições Federais de Ensino Superior) sucessivamente deflagram estado de greve docente – já há a adesão de aproximadamente 51 IFES (segundo informe do CNG-ANG 11.06) de uma esfera de 99 instituições. Os servidores federais também deflagraram greve, em 11 de junho. Tais movimentos representam a indignação e a reprovação às políticas que vêm sendo implementadas no setor público – do qual a educação não está fora. Enfrenta-se, portanto, as políticas de corte de orçamento (R$ 5 bi só na educação em 2011-2012), a expansão sem recursos e estrutura proporcionada pelo REUNI (que aumenta em 50% o número de vagas, mas apenas em 20% as verbas) que gera salas superlotadas e sobrecarga aos trabalhadores da educação. Combatemos também projetos como a PL 549, que congela contratações e aumentos reais nos salários por 10 anos no serviço federal; a EBSRH, que privatiza os HUs, precarizando o serviço, o trabalho e o ensino; e o PNE (Plano Nacional de Educação 2011/2020) que estabelece as “metas” de curto-médio prazo do governo, cujo lema é “privatizar e precarizar”. E como se não bastasse – para dissuadir de forma muito safada os professores da greve – aos 45 minutos do segundo tempo o governo edita a MP568 – na intenção de desarticular a greve dos professores e dividir os trabalhadores – concedendo míseros 4% de reajuste à categoria, corta à metade os salários dos médicos e reduz os benefícios referentes à insalubridade.

@s estudantes são atingidos diretamente por tais questões e vivenciam em seu cotidiano o sucateamento do ensino superior público e, portanto não têm como estar de fora dessa discussão.São péssimas as condições de acesso, ensino e permanência – o tripé universitário parece cada vez mais “manco”: pesquisa e extensão desarticulam-se cada vez mais do ensino fazendo da Universidade uma “fábrica de diplomas”. E diante de tal contexto @s estudantes não tem deixado de demonstrar sua força e mobilização, já são 30 Universidades em greve estudantil. Na UFPR nós já vivenciamos uma greve estudantil em 2011 e os resultados estão aí: café da manhã no R.U – que também passou a funcionar durante sete dias por semana, servindo as três refeições diárias – aumento no número e no valor das bolsas, indicativo de construção de três Casas de Estudantes, dentre outras conquistas. Tais resultados partem de nossa organização e luta que, quando sustentada pela Ação Direta demonstra o potencial da organização dos “de baixo” ao enfrentar o Estado.

Que derrotamos as burocracias!

 Agora em 2012 uma nova conjuntura se desenha, pois, como citado anteriormente, os movimentos grevistas estão por todo o Brasil e se no ano passado os enfrentamos e as subsequentes conquistas foram a nível local, agora, para ambas as categorias, está colocada a possibilidade de articulações nacionais. Para nós, essa possibilidade significa repensar todo o Movimento Estudantil! Há anos que nos encontramos “órfãos” de nossa entidade nacional – a UNE – que se nos fins da ditadura representou os setores mais combativos d@s estudantes, hoje – justamente por conta do projeto que “comprou” (o do Partido dos Trabalhadores) e sustentou – não representa nada mais do que a burocracia do movimento. Alinhada com o governo e não com as bases e não fazendo mais do que um papel de interlocutora do Estado no próprio movimento – por vezes disfarçando-se por trás de um apoio crítico, mas no geral, sendo porta voz do governo. Chegou o momento de derrotarmos esse projeto, mas e o quê por no lugar?

Hoje, nos cabe o papel de reconstruir o movimento estudantil e como antes, as escolhas irão refletir-se lá na frente – temos o exemplo, citado no parágrafo acima, do que pode significar a constituição de um movimento que tem vínculos com projetos de governo e gestão do Estado. Além disso, a forma com que iremos nos organizar irá dizer muito sobre o que almejamos! Está a surgir um movimento que vêm das bases e se auto-organiza, cujos protagonistas somos nós e onde por meio da ação direta e da democracia da base decidimos os rumos do movimento. Por outro lado, voltam a aparecer os apologistas da crise de direção, dispostos a resolver as coisas “de cima” como se a solução fosse trocar o burocrata não destruir a burocracia. Defendemos a construção pela base e pela auto-organização, somente esta pode fazer nosso projeto sólido, afinal não se pode começar uma casa do telhado. Como antes, os explorados de ontem podem se tornar os exploradores de amanhã, num ciclo de burocratização das lutas que só pode ser rompido pelo caminho que abrirmos com nossas próprias mãos, construindo juntos, de baixo para cima, entre iguais e como diriam nossos companheiros Zapatistas: “Abaixo e à Esquerda”.

Fora a todas as burocracias, força aos de baixo! Ação Direta já!

Onde há muros, há o que esconder”

Coletivo Quebrando Muros

 

Na semana passada tivemos mais uma assembleia lotada, com apresentação das pautas do Comando Nacional de Greve (CNG),  mas também com formulações para que noss@s delegad@s estejam respaldados no CNG, assim mantendo o controle da base sobre seus mandatos.

Documentos do CNG: ATA CNG ata plenaria do rio CNG I Reunião 2012

+ pautas e consignias CNGE

Em nossa assembeia além do repasse de noss@s delegad@s,  aprovamos as resoluções do CNG, bem como tiramos novas pautas para levar ao CNG por parte da UFPR (ata a ser públicada da assembleia d@s estudantes da UFPR de quinta dia 28 de junho ). Chegamos a conclusão também que deveriamos aprofundar nossas discussões a cerca de certas pautas do CNG na UFPR. Para nosso Coletivo não há nada de equivoco nesta demanda de ampliação de certos debates. Para nós (CQM) todas as pautas aprovadas no CNG são justas e realmente devem figurar entre as reinvindicações d@s estudantes, porém afirmamos que as discussões devem sempre ser feitas pela base, respeitando seu acumulo e seus encaminhamentos, pois somente quando andamos lado a lado, ombro a ombro com a base construímos um Movimento Estudantil (M.E.) Forte!

Da assembleia, para o CQM pode-se destacar também, uma resolução que demonstra a vontade de construir um novo M.E. calcado nas bases, por parte d@s estudantes da UFPR. @s estudantes discutiram, votaram e aprovaram uma resolução para que seus/suas delegad@s levem ao CNG a  recomendação, que este somente aceite delegad@s eleit@s em assembleia. Tal delibereção se deu em resposta ao episódio ocorrido na I reunião do CNG, onde foram aceitos delegados que não foram eleitos em assembleia.  Podemos afirmar que o CQM esta junto com esta decisão d@s estudantes da UFPR em relação ao CNG, pois mostramos por meio desta  que aqui na UFPR, @s estudantes  repudiam as direções burocratizadas, demonstrando que seu compromisso é com um movimento que respeite as deliberações das bases, construído de baixo para cima, por meio da democracia de base (direta).

Na semana, vale comentar também, o comparecimento d@s estudantes em atividades no saguão da Reitoria durante as jornadas de negociação junto a Reitoria, demonstrando a administração da UFPR que estamos de olho. Tal fato evidencia também a convicção d@s esrtudantes nos instrumentos de mobilização pela ação direta, onde estes vem por meio de atos concretos dar suporte a sua comissão de negociação.

Nesta semana seguimos com nossas atividades de greve, algumas que já constam em nosso calendário:

CALENDÁRIO:

A GREVE vai as RUAS – Oficina de cartazes (Boca Maldita XV Novembro)

Colabore nas interevnções junto a população apra que levemos a Greve para além dos muros da Universidade.
Ofina de cartazes + intervenções.

Onde: Boca Maldita, Rua XV Novembro

Quando; segunda 25 de junho as 14h

http://www.facebook.com/events/410072509031398/

Cine Greve

Filme: IMPASSE – http://filmow.com/impasse-t25993/
Quando: 26.06 às 19h
Onde: Sala 600, 6º andar do D. Pedro II

Sinopse

Em maio e junho de 2010, milhares de pessoas foram às ruas de Florianópolis para protestar contra o aumento da tarifa do transporte coletivo. Além de cenas que não foram exibidas em nenhuma tevê, incluindo flagrantes de violência durante os atos públicos, Impasse revela o que pensam usuários, trabalhadores, especialistas e empresários do transporte. Expõe as contradições e as diferenças de posição dos estudantes, dos representantes do governo municipal e do governo estadual. Discute questões que se entrelaçam e se completam: Por que a cidade se tornou um símbolo na luta pelo transporte público? O que aconteceu durante a ação da polícia militar na Universidade do Estado de Santa Catarina? Por que a mobilidade urbana é um dos grandes temas do século XXI? Existe, afinal de contas, saída para este impasse?

http://www.facebook.com/events/399346656767852/

Na próxima quarta, às 18:30, ocorrerá a V Assembleia Geral de Estudantes da UFPR. Contamos com as participação de todos os estudantes!

Pautas:
Informes da greve
Avaliação da proposta da Reitoria
Discussão dos destaques da pauta nacional

Onde: RU Centro

Quando: quarta 27 de junho as 18:30

http://www.facebook.com/events/373501122717856/

Festa junina da Greve!

E isso aí, Galera,

Já que a palhaçada é tanta, nada melhor do
que cortejar a greve de um jeito bem popular:
uma festa junina no pátio da Reitora!

Quando: sexta 29 de junho as 17h

Onde: patio da Reitoria

http://www.facebook.com/events/450594998299132/

A GREVE vai as RUAS- Flash Mob feirinha largo da Ordem

Intervenção artística, junto a população sobre a Greve!
Vista sua roupa preta e venha para a feirinha no domingão demosntrando sua indignação e LUTO pela EDUCAÇÃO.
Luto e Luta pela Educação
Concentração as 09H

Onde: Feirinha Largo da Ordem, Cavalo Babão

Quando; domingo 01de julho as 9h

http://www.facebook.com/events/448074241883805/

Ato comunitário da UFPR: Por uma unidade na luta

Publicado: junho 25, 2012 em Sem categoria

No dia 14 de junho, foi realizado no centro de Curitiba, um grande ato em prol da educação, reunindo docentes, estudantes e servidores técnico-administrativos da UFPR, IFPR e UTFPR. A mobilização trouxe às ruas o forte movimento grevista que se articula por todo Brasil, para mostrar ao povo que é lutando que se conquistam as transformações de fato. O ato contou com mais de setecentas pessoas, que cantaram palavras de ordem, pularam e até fizeram um velório simbólico da educação. As intervenções dos estudantes, seus cartazes, suas dinâmicas – sua organização- foi previamente organizada em seus comandos locais de greve ou no comando de greve geral. Tudo corria muito bem até o momento em que militantes do PSTU se posicionaram estrategicamente entre os manifestantes para erguer suas bandeiras e agitá-las ali, causando um mal-estar geral nos indivíduos que não se identificavam com esta sigla e que enxergaram esta atitude como extremamente oportunista e desrespeitosa com quem  de fato construiu o movimento que ali acontecia.

No dia anterior, os estudantes da UFPR em Assembleia Geral, elegeram seus delegados para o Comando Nacional de Greve, levantando um debate acerca da forma de se fazer movimento estudantil. A velha forma é a que se baseia na representatividade e na burocracia, em que delegamos nosso poder de decisão a indivíduos que se propõe a nos representar e esperamos sentados que nossos problemas sejam resolvidos. Essa velha forma, também inclui a construção de entidades que “dirijam” o movimento, de cima para baixo, sem enraizamento e respaldo nas bases. Mas uma nova forma de se fazer movimento vem se construindo no Movimento Estudantil da UFPR, um movimento a partir da Ação Direta e do protagonismo da base, que rechaça a autoridade de falsas direções, com participação direta dos estudantes, desde suas assembleias de base e construções coletivas. E esse protagonismo dos estudantes é o que se verificou no repudio a atitude do PSTU ao erguer suas bandeiras encima dos que não possuem identidade com esta sigla. Estudantes independentes e organizados perceberam o oportunismo desta entidade em tentar dirigir o processo. Não somos contra a presença de bandeiras de partidos políticos em atos deste tipo, mas somos contra SIM que essas sejam levantadas encima de pessoas que não se identifiquem com elas. Por estarmos sempre em meio à base – e tendo percebido uma situação de injustiça frente a ela – nos colocamos a seu favor quando esta exigiu que se abaixassem as bandeiras

Na concepção do Coletivo Quebrando Muros, não somos contra a presença de partidos políticos nos movimentos sociais, muito pelo contrario, acreditamos que quanto mais militantes organizados os construírem, ao lado dos independentes, mais forte serão os movimentos, por entendermos que a organização coletiva potencializa a prática do individuo. O que rechaçamos radicalmente é quando grupos políticos de qualquer tipo ideologizem o movimento, ou seja, o utilizem como aparelho de um único pensamento político contrariando qualquer expressão do poder da base. Somos contra a dominação, quando um determinado partido ou grupo político se valha do meio social para construir a si mesmo e não as lutas do meio social. Isso se expressa tanto na relação do Estado com as Classes Oprimidas, quanto, por exemplo, quando um partido que disputa o Estado faz uso dos movimentos sociais para angariar votos e tocar políticas alheias as da base.

Moção de solidariedade a greve das Universidades Federais

Publicado: junho 25, 2012 em Sem categoria

 

D@s noss@s compas Libertari@s da USP!
retirado de: https://rizoma.milharal.org/2012/06/18/mocao-de-solidariedade-a-greve-das-federais/
Publicado em 18 de junho de 2012

 

Nós do Rizoma – uma tendência estudantil formada por estudantes de diversos cursos da USP – gostaríamos de expressar nossa solidariedade e apoio à greve e aos grevistas das mais de 50 universidades federais. Entendemos que a luta por uma educação popular, livre e gratuita é uma só, assim como nossos inimigos nessa luta também formam um só grupo unido – o Estado e seus braços, e os interesses do capitalismo – nós também devemos nos esforçar para fortalecer nossos laços.

Gostaríamos, em especial, de expressar nossa aversão ao braço armado do Estado – a polícia – e seus violentos atos de repressão política ao movimento estudantil da UNIFESP de Guarulhos. Repressão que nos choca por sua violência, e também por ser abertamente política. Ademais, no Brasil atual temos uma população carcerária de cerca de 500mil pessoas, em geral pobres, e que foram presos ou por comercializar produtos ilícitos, ou por atos contra a propriedade privada – o que deixa explícito o papel de classe e político da polícia e do sistema penitenciário. O verdadeiro roubo é a propriedade privada!

Estamos juntos na luta contra a política, a economia e a educação das classes dominantes!

Por uma sociedade sem Estado e sem polícia!

Rizoma – Tendência Libertária e Autônoma – 18/06/1

Mutirão Horta Escolar/Comunitária Manuel Ribas 24.06.2012

Publicado: junho 21, 2012 em Sem categoria

Sabado (23.06.12),  as 10 h na Escola Estadual Manuel Ribas.

  • Rua Guabirotuba, 600 – Prado Velho
  • Curitiba / PR

Multirão Manoel Ribas

A Greve e a Luta continuam…O que aconteceu e o que vai acontecer

Publicado: junho 18, 2012 em Sem categoria

Na semana passada tivemos dois eventos importantes na greve estudantil d@S estudantes da UFPR. A assembleia que ocorreu no dia 13.06 (quarta) e o ato unificado pela valorização da educação no dia seguinte (14.06, quinta). Um terceiro momento importante foi o ato d@ Estudantes da UFPR, que cabe observar contou com apoio de estudantes de outras Universidades e Instituições   (como UTFPR e IFPR), que ocorreu na sequência do ato unificado do dia 14.06.

Destaques: 1) para a assembleia que elegeu @s estudantes que iriam ser @s delegad@S da UFPR no Comando Nacional de Greve dos Estudantes. Vale ainda colocar em evidência que @s estudantes eleitos são completamente independentes da burocracia do movimento (ex: UNE), ou de entidades que visam “representar” @s estudantes, resultado: Vitória da base sobre a burocrácia do Movimento. 2) Para os dois atos do dia 14.06, que contaram com mais de 500 pessoas, colocando nosso bloco na rua para mostrar nossa disposição contra a precarização das condições de trabalho e ensino. 3) No ato estudantil, que contou com paciencia e teste de nervos d@s estudantes que tiveram que esperar das 12h as 14h o nosso reitor “fujão” Zaki, para lhe entregar as pautas. O prazo para resposta foi dado, terça feira (19.06) estamos  lá de novo para receber as respostas de nossas reinvindicações.

 

Calendario da Semana, vem…vem pra luta vem!

Ato 19.03.2012: Estamos de olho: Mobilização para negociação estudantil com a reitoria da UFPR (http://www.facebook.com/#!/events/471331402893749/)

Terça é o dia que a reitoria se comprometeu em negociar com estudantes. Vamos nos concentrar no hall de entrada do prédio da reitoria, como forma de nos mobilizarmos e de mostrar a nossa força na luta, enquanto  ocorre a mesa de negociação. Faremos  um debate sobre os instrumento de luta da classe trabalhadora! Reitoria: ESTAMOS DE OLHO! “PROMETEU E NÃO CUMPRIU, AGORA AGUENTA O MOVIMENTO ESTUDANTIL!!”

Onde: Reitoria UFPR

Quando: 19.06.12 (terça) a partir das 13h

 

21.06.2012 :IV Assembleia Geral dos Estudantes da UFPR
Quinta (21/06) ocorrerá nossa IV Assembleia geral dos estudantes. Pautas: 1. Repasse do comando nacional de greve 2. Avaliação da mesa de negociação. Nesta semana teremos duas atividades importantes e que necessitam ser discutidas em assembléia. Na segunda teremos a primeira reunião do comando nacional de greve e na terça teremos nossa primeira tentativa de negociação com a reitoria. A presença de todos se faz necessária para juntos avaliarmos as nossas próximas mobilizações na greve.
Onde: RU centro
Quando: 21.06.12 (quinta) 18:30
“Nas ruas, nas praças, quem disse que sumiu aqui está presente o Movimento estudantil!”
“Onde há muros, há o que esconder”