Mês: agosto 2012

Tod@s ao COUN : 30 de agosto-Dia de Luta contra a EBSRH

Nessa luta tão importante pela manutenção de nosso hospital escola, o Hospital de Clínicas da UFPR, toda a comunidade se fará presente no nosso dia de luta contra a EBSERH.

Venha participar você também! Vamos pressionar para que o Conselho Universitário se posicione radicalmente contra a EBSERH no nosso hospital.

Vamos todos tomar um grande café comunitário no pátio, com muita animação e luta!

 

Onde: Reitoria UFPR

quando: 30 de agosto, quinta, as 8h

 

Acesse também: http://www.facebook.com/events/293900947384329/

30 de agosto - Dia de luta contra a EBSERH

 

Anúncios

Manifesto Pró-educação – Curitiba (25.08.12)

Onde: Santos Andrade

Quando: 14h, 25.08.12

Por que?

A EDUCAÇÃO BRASILEIRA PEDE SOCORRO!

O cenário que assistimos hoje é de paralisação de professores, alunos e servidores que compromete o funcionamento de mais de 90 Instituições de ensino superior em nível nacional. A greve das universidades e institutos federais prejudica atualmente mais de 1 milhão de indivíduos do corpo discente e docente e pode colocar em risco o vestibular do final do ano em todo o Brasil, agravando a situação e ampliando seus efeitos para os estudantes de ensino médio.

Sabendo das reivindicações dos servidores paralisados, nós estudantes apoiamos e legitimamos a greve dos professores, não tendo essa manifestação o objetivo de pressioná-los a voltarem às aulas de forma intempestiva, mas sim cobrar do governo a retomada das negociações com os sindicatos a fim de satisfazer as exigências da classe trabalhadora, trazer à população o debate sobre a péssima condição do ensino em nosso país e exigir investimento imediato de 10% do PIB para a educação pública.

O descaso do governo atual com a greve dos professores reflete a tendência adotada há anos por aqueles que assumem o poder. A má gestão dos recursos públicos e desvios de verbas e o descaso e lentidão de governantes ao tratar de assuntos de interesse da população são condutas recorrentes que levam ao abandono e consequentes privatizações não só da educação, mas também de grande parte das instituições públicas prestadoras de serviços ao cidadão brasileiro. E por isso se faz justa a batalha diária dos servidores públicos que também sofrem com o sucateamento e degradação das condições de trabalho e dos salários.

A luta pela educação de qualidade é o caminho mais sábio a ser seguido e o que menos querem que sigamos.

COM MAIS EDUCAÇÃO, TODOS SAIMOS GANHANDO!

POR UMA SOCIEDADE MELHOR CHAMAMOS TODOS PARA LUTARMOS PELA EDUCAÇÃO DE QUALIDADE!

Estudantes, professores, cidadãos brasileiros, participem todos!!

Lembramos que somos sociedade civil organizada e como tal, somos apartidários e pacíficos, não permitiremos que partidos políticos tentem partidarizar o movimento se aproveitando para obter ganhos no período eleitoral.

Galera, chega de promessa. Vamos agir.

A idéia é simples, uma manifestação em cada capital do País. Sejam todos bem-vindos!

evento no Face Cwb:

http://www.facebook.com/events/410165202375357/

Outros:

Vitória – ES
http://www.facebook.com/events/230561633732536/

João Pessoa – PB
https://www.facebook.com/events/421143717927134/

Aracaju – SE
http://www.facebook.com/events/109818075832211/

Natal – RN
https://www.facebook.com/events/253946891375778/

Salvador – BA
http://www.facebook.com/events/316767725086246/

Fortaleza-CE
http://www.facebook.com/events/319714388125268/?notif_t=plan_user_invited

Recife – PE
http://www.facebook.com/events/123224181157643/

Rio de Janeiro – RJ
https://www.facebook.com/events/402105476515811/

São Paulo – SP
https://www.facebook.com/events/246124622174294/?context=create

Belo Horizonte – MG
https://www.facebook.com/events/175495389242364/?context=create

– Manifestação de caráter nacional e pacífica.

Manifesto Pró-Educação - Curitiba - PR

Greve Estudantil UFPR: CONSTRUÇÃO, INSTRUMENTOS E LUTAS + VITÓRIAS E RESULTADOS DA GREVE ESTUDANTIL

Após quase três meses de greve estudantil, na UFPR, finalmente
podemos dizer que tivemos avanços significativos
na negociação das nossas pautas com a Reitoria. Devemos,
no entanto, entender como se deu esse processo!
Desde o seu início a sua construção se deu através de assembleias
gerais de base, de forma horizontal, onde todos
os estudantes tinham o mesmo poder de decisão e voz, ao
invés de ser dirigida por supostos representantes dos estudantes.
A prova disso é que no inicio da nossa greve a reitoria
não se esforçou nenhum um pouco em atender nossas
pautas, tendo 5 rodadas de “negociação” onde as pautas
foram somente lidas, sem nenhuma avanço.

Esse quadro mudou após o ato unificado pela educação,
que reuniu mais de 1200 pessoas e principalmente após o
ato do 3-J, que reuniu cerca de 300 estudantes e culminou
na ocupação da Reitoria. Vale lembrar que essa ocupação
foi decidida em uma assembleia geral e, no meio do processo,
sua continuidade foi referendada por outra assembleia,
que contou com mais de 520 estudantes. Portanto,
não foi através de instrumentos burocráticos que conseguimos
as vitórias, mas sim através da ação direta. A ação
radicalizada mostrou-se necessária, tanto por manter vivo
o movimento durante o período das férias de julho, quanto
como instrumento político para conquista efetiva das pautas.

Podemos ver o resultado de nossas ações desde o início do
movimento no cenário em que nos encontramos, tanto da
construção através da base quanto dos instrumentos de radicalização
do movimento: obtivemos conquistas significativas
nas pautas locais!Agora é o momento de mudar o foco
da nossa luta, devemos nos manter mobilizados para a construção
e fortalecimento da nossa greve a nível nacional,
concentrar-nos na negociação local conjunta (com as três
categorias) e apoiar a luta dos professores e técnicosadministrativos,
nos somando às suas mobilizações, por entender
que nossa luta, independente de categoria, é uma
só: pela educação pública, gratuita e de qualidade.

Em breve será lançado o balanco desta greve por parte do CQM, acompanhe o nosso blog e também as edições impressas de “A Fagulha”.

ACESSE AQUI O TEXTO EM SEU FORMATO JORNAL EXTRAORDINÁRIO A FAGULHA (16.08.12)

jornal xi assembleia QM

ACESSE AQUI O DOCUMENTO COM OS RESULTADOS DAS NEGOCIAÇÕES ENTRE ESTUDANTES GREVISTAS E REITORIA:

Pauta Geral dos Estudantes – versão de negociação 14-08-2012 (1)

AMANHÃ: TOD@S A XI ASSEMLÉIA DE ESTUDANTES DA UFPR (16.08.2012)

Na próxima quinta-feira, às 18h:30, será realizada, no R.U. central, a décima primeira Assembleia Geral dos Estudantes da UFPR.

Após muita mobilização, importante ocupação de reitoria, vários atos, tentativa de criminalização do movimento por parte da reitoria, dez assembléias e muito suor derramado, nós estudantes da UFPR estamos garantindo importantes vitórias contra a precarização e a privatização de nossa Universidade. Desde o dia 29 de maio – deflagração da greve dos estudantes – e ainda antes disso,

estamos travando importante batalha. Esta semana esta sendo crucial para uma conquista efetiva de nosso movimento. Houve o ato Universidade em Construção, na segunda-feira, para pressionar o atendimento completo de nossas pautas de estrutura e a consolidação da construção da creche para filhos de estudantes e trabalhadores da UFPR. Haverá ainda esta semana reunião de negociação com a administração da universidade, nesta terça-feira. E assim é indispensável uma enorme participação nesta décima primeira assembléia, para decidirmos quais caminhos iremos percorrer nesta etapa, tendo sempre como norte a conquista de nossas reivindicações por uma Universidade para todos, gratuita e de qualidade… e quando usufruirmos de nossas conquistas, ao olharmos para trás, na direção contrária ao horizonte escolhido, veremos batalhas vitoriosas de estudantes unidos e teremos a certeza, então, que somente a luta muda a vida.

A educação clama, a saúde suplica, a vida implora… A Greve é Forte, a Luta é Agora!

XI Assembléia Geral dos Estudantes UFPR

PROGRAD 2012: Sucateamento em edital.

                O edital “PROGRAMA DE MELHORIA DA QUALIDADE SOCIAL NA GRADUAÇÃO DA UFPR” de 2012 ofertado pela PROGRAD da instituição só vem a comprovar a suspeita dos grevistas: está selado o casamento entre governo federal e a Reitoria da UFPR. Sem estar vinculada ao projeto REUNI (que paulatinamente sucateia o ensino universitário brasileiro) a PROGRAD copia sua lógica e oferece aos departamentos uma proposta de investimento cuja contrapartida é minimamente duvidosa.

                Entre os objetivos do edital pode-se ler que é almejado “a melhoria do fluxo acadêmico de curso”. Mais adiante podemos ler com exatidão a maneira como a PROGRAD resolve financiar a realização dessa meta:

“Até R$300.000,00 por curso para projetos de reformulação curricular que visem a adoção
de turno único
ou, nos já ofertados em turno único, que visem a redução da duração total
do curso
(semestre ou ano) nos limites da legislação, sendo no mínimo 30% do montante solicitado para pagamento de custeio.”

                A Universidade não está ajudando a melhorar fluxo algum. Ela está comprando a desistência de discentes que não podem trocar de turno. Ao mesmo tempo obriga os professores a reduzirem o conteúdo de suas disciplinas. Com menos turnos os cursos precisam de menos professores para lecionar. Com menos conteúdo forma-se profissionais menos qualificados. Simples assim? Simples assim.

                E vem mais. A lista de objetivos do edital também fala em modernização da infraestrutura. Mas o que deve-se entender por infraestrutura? Vejamos como a PROGRAD lida com isso  na forma de uma oferta de capital:

“Até R$100.000,00 por curso participante para transformação de horas curriculares presenciais em horas de ensino a distância nos termos da Resolução 72/10 CEPE.”

                Obviamente não se trata de melhorar a infraestrutura da UFPR. Antes tratas-se de manter o aluno afastado da instituição privando-o de travar a relação necessária com o professor, com as secretarias e órgãos de poder.

                O absurdo chega ao ápice quando na leitura do edital descobre-se que a análise dos projetos inscritos será feita por comissão criada pelo “Magnífico Reitor”. Não há nenhum dispositivo pelo qual tal comissão possa ser vetada; sequer existe a possibilidade de que pelo menos um dos membros da comissão seja indicado por alunos ou qualquer outro setor da comunidade acadêmica.

                Diante de demonstrações públicas, claras e autoritárias de um engajamento no desmonte do ensino público não resta outra alternativa aos alunos da UFPR a não ser o de cruzar os braços e gritar a plenos pulmões: CHEGA DE SUCATEAMENTO!

Quer ler o edital da PROGRAD? Clique aqui

Imagem