Arquivo de fevereiro, 2015

Assim tem demonstrado o funcionalismo público do estado do Paraná, ao construir uma greve de grandes proporções diante da ameaça iminente de desmonte dos serviços públicos promovida pelo governo neoliberal de Beto Richa.

Vamos aos fatos: reuniram-se 10 mil trabalhadores da educação numa assembleia e marcha histórica em Guarapuava, no dia 07/02, que deflagraram a greve; bravamente, o seu acampamento resiste há 20 dias diante do Palácio Iguaçu, faça muita chuva ou faça muito sol; frente aos sorrisos irônicos e do desprezo de desprezíveis parlamentares, aprenderam que de nada adianta contar quantos votos poderiam ser a nosso favor, pois eles não nos representam; através da ação direta, os trabalhadores ocuparam por duas vezes a Assembleia Legislativa do Estado (na primeira vez, sob a tensão permanente de uma possível ação violenta das forças policiais para desocupar esse espaço de poder, na segunda vez, heroicamente, sob balas de borracha, gás lacrimogêneo, spray de pimenta e truculência policial); sofrendo ataques de setores da mídia, combatendo a contra-informação, desfazendo boatos, dialogando constantemente com a sociedade, fazendo e recebendo os mais variados gestos de solidariedade, resistem; como se não bastasse, no dia 25/02, deixaram Curitiba impressionada com uma marcha gigantesca de 50 mil pessoas exigindo educação pública e de qualidade, sob o mote: nenhum direito a menos!

Resistimos aos ataques e garantimos provisoriamente muita coisa, mas…

Ao fim de 3 rodadas de negociação com representantes do governo (o governador Beto Richa não dá as caras), temos, além das vitórias, uma série de promessas, provindas de um governo sem credibilidade alguma, que comprometeu o orçamento do estado, que, na hora do aperto, tem a audácia de tentar retirar os poucos recursos da classe trabalhadora, para satisfazer os exploradores, seus aliados e financiadores!

Depois de construir uma greve tão forte e admirável, referência para outras categorias e para outros lugares do Brasil e do mundo; depois de fazer o papel de protagonistas da luta, fazendo-a avançar para além dos limites da burocracia, vamos cumprir o papel de recuar? Havendo tantos pontos obscuros no cumprimento de nossa pauta de reivindicações, devemos ceder? Devemos recuar e trair nosso próprio grito de guerra?

NENHUM DIREITO A MENOS!

Vemos as estratégias utilizadas pelo governo. Além de atacar os trabalhadores em educação com a polícia, agora apresenta ameaça de judicializar a greve. Propõe discutir a questão da previdência num futuro indeterminado, buscando desvincular essa pauta da nossa luta. O fundo previdenciário é o principal alvo do governo, colocando outros ataques apenas como um chamariz. Ele visa os 8 bilhões do fundo para resolver as suas dívidas. Por isso não podemos ceder a essas estratégias! Devemos manter a greve forte, independente dos ataques, e devemos mantê-la até termos garantia quanto à segurança do nosso fundo previdenciário, incentivando inclusive a luta das outras categorias.

Por isso e mais forte do que antes, A GREVE CONTINUA!

Lutar! Criar! Poder Popular!

10986647_598628466940302_5624314693312860327_n                                                               (Fonte da imagem: Revista Fórum)

Bem Vind@s Calour@s 2015!

Publicado: fevereiro 26, 2015 em Sem categoria
Tags:, , , , ,

Estar na universidade pública é um privilégio (segundo o Senso da Educação do INEP-MEC¹, só 27,5% da já restrita população universitária está nas públicas) e, parafraseando o tio Ben, com grandes privilégios, vêm grandes responsabilidades. É por isso que a Universidade pública não é só ensino na sala de aula, mas ela tem o dever de produzir conhecimento e tecnologia que possam ser revertidos para o povo. A Universidade pública é mantida por meio de recursos financeiros arrecadados, em sua maior parte, por trabalhadores de baixa renda, devido à desigual carga tributária brasileira, mas a maior parte deles não tem acesso à universidade ou ao conhecimento produzido nela.  Isso quer dizer que, apesar da Universidade ser pública, ela não é de todos.

E olha que, manter-se nela também não é fácil. Muito cursos exigem um comprometimento integral do estudante, mas ele não recebe o suporte mínimo para isso. É por isso que nós estudantes nos organizamos para modificar essa realidade, em busca, além da universalização do ensino superior público, de condições de permanecer na faculdade. Mas infelizmente, nada disso vem da bondade da reitoria ou do governo, cuja pauta prioritária nem de longe é a educação. Isso vale tanto para o governo federal, decretou um corte de verba de R$ 7 bilhões para o Ministério da Educação no começo do ano², como para o governo estadual que, em suas medidas de austeridade, reduziu recursos a ponto de colocar em situação crítica a existência de quatro das sete universidades estaduais³. Aprendemos que é só com a ação direta dos estudantes que conseguimos arrancar o que deveria ser de direito. Na UFPR por exemplo, pautas como as bolsas, moradia estudantil, utilização do nome social para pessoas trans, auxílio-creche, Restaurante Universitário funcionando em todas as refeições, ampliação dos acervos das bibliotecas, e até mesmo a internet sem fio gratuita, foram conquistadas. Tudo isso só foi possível com as greves, ocupações da reitoria e atos do movimento estudantil. Ainda há muito o que avançar, como nas Universidades Estaduais, que ainda lutam para conseguir muitas dessas pautas!

Também é preciso lutar contra toda forma de opressão na Universidade, contra o machismo, racismo, LGTBfobia e capacitismo. Essas injustiças só deixarão de existir com a mobilização de quem é diretamente afetado por elas, ou seja, seremos nós, mulheres, pessoas negras, lésbicas, transexuais, bissexuais e gays e pessoas com deficiência que podemos dar a direção dessas lutas, e seremos todxs nós estudantes que determinaremos quais são nossas pautas e como iremos alcançá-las.

As pautas são muitas, e tem muita gente se mobilizando para lutar.  Nós do Coletivo Quebrando Muros, convidamos vocês, calouras e calouros, para além de participar das aulas e festas, a se engajarem nos vários espaços políticos da universidade, como os centros acadêmicos, assembleias, rodas de discussões e protestos, e descobrir que a política é algo indissociável de nossa vida, e não deve ser restrita aos grandes homens e poderosos.

¹ http://g1.globo.com/educacao/noticia/2014/09/matriculas-no-ensino-superior-sobem-38-e-atingem-73-milhoes-de-alunos.html

² http://www.opovo.com.br/app/opovo/economia/2015/01/09/noticiasjornaleconomia,3374089/ministerio-da-educacao-perde-r-7-bilhoes-com-a-definicao-dos-cortes.shtml

³ http://www.gazetadopovo.com.br/vida-e-cidadania/sem-acordo-professores-mantem-greve-ek2qy9ujhqwkvwlooan7imrm6;jsessionid=395DDEC7C6A6504F05027F5327FA5310

cqm

No último dia 10 de Fevereiro de 2015, diversas organizações sociais participaram do 3º Ato Contra o Aumento da Tarifa, organizado pela Frente de Luta pelo Transporte – FLPT. O ato dirigiu-se até a sede da Prefeitura de Curitiba e, diante da não recepção da prefeitura e da não abertura à negociação por parte desta ou de outros entes responsivos, o movimento decidiu, por meio de uma assembleia, acampar em frente ao local e permanecer ali até que o prefeito Gustavo Fruet responda às demandas do movimento.

O ato contou com a participação de aproximadamente 500 pessoas e demonstrou, mais uma vez, tal como na ocupação da Câmara dos vereadores de Curitiba em 2013, a importância de um movimento que se constrói pela ação direta e que não espera dos representantes e da burocracia do Estado para conquistar os seus direitos. É de fundamental relevância também destacar que as decisões tomadas democraticamente por meio da assembleia sejam respeitadas e que todos os coletivos ou organizações que se comprometam a construir a Frente de Luta somem forças nestas medidas, pois somente assim é possível avançar na luta por um transporte verdadeiramente público e de qualidade.

passelivre070215

Outro caráter que também merece destaque é a maior participação das mulheres e demais setores oprimidos dentro do movimento, uma vez que historicamente tais setores possuem menos voz na sociedade. Durante o ato, por exemplo, muitas das falas e palavras de ordem foram feitas por mulheres. Acreditamos que a luta feminista e a luta dos demais setores oprimidos não deva ser pormenorizada, mas pautada lado a lado da luta por melhores condições de vida, como a questão do transporte.

O Coletivo Quebrando Muros, ao longo de sua história, tem participado ativamente da construção do movimento pelo transporte em Curitiba justamente por acreditar que é somente pela ação direta e organização constante que avançaremos com os nossos objetivos. LUTAR! CRIAR PODER POPULAR!

cqm

A NOSSA LUTA É TODO DIA, TRANSPORTE PÚBLICO NÃO É MERCADORIA!

POR UMA VIDA SEM CATRACAS

REDUÇÃO DA TARIFA JÁ!

Hoje a luta dos professores e funcionários da rede pública de educação do Paraná se radicalizou e ganhou mais força.

Apesar da presença massiva da PM, a categoria não se intimidou e, com mais de 20 mil pessoas presentes, a Assembleia Legislativa do Estado do Paraná foi ocupada, fortalecendo a greve através da ação direta.

Não esperamos nada de deputados, porque sabemos do lado de quem estão. Só a ação direta do povo pode garantir e avançar nossos direitos!

IMG_20150210_180617100_HDR

Repudiamos a hostilidade que a direção da APP vem mostrando às professoras e professores do Coletivo Quebrando Muros, pedindo a retirada de nossa bandeira rubro-negra do movimento e nos acusando de sermos infiltrados. Reiteramos que estamos na luta, lado a lado com a base.

Ajudamos a construir a ocupação da ALEP com a firme convicção de que só a base radicalizada pela ação direta poderá ter a força necessária para reverter os ataques que o governador Beto Richa vem fazendo contra a educação pública. Além do sucateamento das escolas e universidades estaduais e do calote que o governador deu aos técnicos e professores, Beto Richa agora também tenta retirar a autonomia das universidades estaduais através do famigerado Meta 4. Perante a todos estes ataques contra a educação pública do Paraná, afirmamos que só a luta da base pode trazer vitórias, e DA LUTA NÃO NOS RETIRAMOS!

invasao_(3)

Não confiamos em deputados! Somente na ação direta do povo organizado!

A nossa luta é todo dia, educação não é mercadoria!

O povo unido jamais será vencido!

Lutar! Criar Poder Popular!

Ocupa Curitiba!

Vem pro acampamento!

Redução já!

Negociação já!

Retirado de:  https://www.facebook.com/FLPTCuritiba/photos/a.129749317232027.1073741828.128982840642008/343408039199486/?type=1&fref=nf

Nas Jornadas de Junho de 2013, milhares de pessoas foram às ruas por todo pais para lutar por transporte público e depois por outras pautas como saúde e educação. Aqui em Curitiba o povo também ocupou a cidade e conseguimos reduzir o preço da tarifa do transporte coletivo.

Hoje, dia 10 de fevereiro de 2015, diante do absurdo aumento do preço da passagem para R$3,30 – sabendo de seu superfaturamento – estamos novamente nas ruas! Depois de 3 manifestações contra o aumento da tarifa ainda não conseguimos diálogo com a Prefeitura, que prefere ignorar a população e beneficiar os empresários da máfia do transporte.

Por isso, estamos acampados em frente ao Palácio das Araucárias, no Centro Cívico, esperando que a Prefeitura venha ouvir as demandas daqueles que dependem do transporte público para trabalhar, estudar, cuidar da saúde, ter lazer, enfim, viver em Curitiba.

Aqui ao lado, na Assembleia Legislativa, milhares de professores, servidores da educação, saúde e diversas outras categorias do funcionalismo público do Estado permanecem em Greve Geral e acampam para exigir seus direitos. Nos colocamos lado a lado também desses lutadores e convidamos a todas e todos que se solidarizam às nossas lutas para virem até aqui unir forças para conquistar vitórias!

Compartilhe e venha para o acampamento contra o aumento!

ESSA LUTA TAMBÉM É SUA!

passelivre070215

Retirado de: https://tarifazerocuritiba.wordpress.com/2015/02/04/2-ato-contra-o-aumento-da-tarifa-quinta-feira-22-18hrs-na-boca-maldita-flpt-e-ctz/

E o prefeito continua com seu jogo sujo e desonesto com a população curitibana. Temos visto nos jornais, na internet, na tv e nos meios de comunicação de massa noticiarem o aumento da tarifa para cima do valor dos 3 reais, e aterrorizando a população com a ameaça do fim da Rede Integrada de Transporte – RIT, pauta histórica do movimento desde junho de 2013, quando tentaram também acabar com a integração com as 14 cidades da região metropolitana que se beneficiam com a integração e a força do povo nas ruas impediu mais essa falta de respeito ao trabalhador. E agora vemos o final de mais um episódio da novela já conhecida por todos, a tarifa aumenta e o prefeito sai de bonzinho por ainda ter conseguido manter a integração com tarifa unica. Passando ainda por cima de decisões judiciais, com a implementação da tarifa diferenciada para pagamento em cartão transporte e pagamento em dinheiro, que sera respectivamente, de 3,15 e 3,30 em dinheiro, o que não tem nenhuma justificativa concreta para essa diferença, pois o serviço é o mesmo, independentemente da forma de pagamento, e é o Ministério Público do Paraná que tem afirmada isso ( http://www.bonde.com.br/?id_bonde=1-3–87-20150203 ) que alega ser ilegal tal situação que também ocorre de forma similar em cidades como São Paulo e Rio de Janeiro.

A tarifa técnica paga aos empresários que antes era de 3,15 passa ao patamar agora de 3,60, tarifa essa que é completada com subsídios estaduais e municipais, o que nós do Coletivo Tarifa Zero nos posicionamos contra, pois a política de subsídios só serve para desmobilizar a população em torna da pauta, pois alivia o pagamento da tarifa na catraca para a população mas engrossa o pagamento com dinheiro publico! Subsídios nada mais são, do que dinheiro do bolso do trabalhador também, pois são frutos das arrecadações de impostos que nos roubam diariamente! E agora com essa tarifa Curitiba chega a estar entre as três capitais que tem a tarifa mais cara do país, perdendo apenas para São Paulo e Rio de Janeiro. Curitiba e Paraná sempre na frente, agora alem de termos o governador estadual mais bem pago do país, o prefeito mais bem pago do país, logo teremos a mafia do transporte coletivo mais bem paga do país!

Na segunda feira, dia 2 de fevereiro fomos para as ruas contra o aumento da tarifa, e continuaremos nas ruas até a tarifa cair!

CONJUNTAMENTE COM A FRENTE DE LUTA PELO TRANSPORTE CONVOCAMOS A TODA POPULAÇÃO CURITIBANA A SOMAR NESSA LUTA QUE É DE TODXS!

2 ATO CONTRA O AUMENTO DA TARIFA!

QUINTA FEIRA DIA 5 DE FEVEREIRO! CONCENTRAÇÃO AS 18HRS NA BOCA MALDITA!

https://www.facebook.com/events/638107769651990/

– Contra o aumento da tarifa que a elevou para 3,30! Redução imediata para 2,70;
– Quatro relatórios apontam superfaturamento na tarifa (TCE, CPI do Transporte, URBS e Sindicatos), tais relatórios apontam que a tarifa pode chegar a 2,25, assim, 2,25 já!; ( http://www.bandab.com.br/jornalismo/relatorio-cpi-tarifa-ate-r-222-licitacao-dezenas-indiciamentos/ )
– Congelamento da tarifa em 2,25;
– Rompimento dos contratos devido a irregularidades, dentre elas formação de cartel na licitação pela família Gulin;
– Fim do subsídio nas passagens (cobrança direta), quem paga os impostos são os trabalhadores, destinar dinheiro público a empresas é sobretaxar os trabalhadores, desviando dinheiro da saúde, educação, etc.
– Contratação de cobradores;
– Supressão de cobranças para compra e abastecimento do cartão magnético;
– Controle social com estatização do transporte público;

10945906_782451381830993_5991557158220730454_o