Arquivo de agosto, 2015

[UFPR] COMO EVITAR RETROCESSOS E GARANTIR AVANÇOS? AÇÃO DIRETA!!!

Publicado: agosto 26, 2015 em Sem categoria

Desde o semestre passado o movimento estudantil organizado da Universidade Federal do Paraná (UFPR) vem tentando negociar suas pautas (confira todas as pautas da greve estudantil 2015). Desde então a Reitoria vem nos enrolando.

Ainda antes das férias foi feita uma mesa de negociação, mas a Reitoria demonstrou que não está disposta a responder às demandas dos estudantes.

Na última Assembleia Geral dos Estudantes, que contou com a presença de quase 800 pessoas, foi encaminhado que o movimento faria um ato na Reitoria no dia 25, terça-feira. Fizemos! E só saímos de lá com a garantia que o Reitor sentaria pra negociar conosco no dia seguinte (26).

Ontem, quarta-feira, dia 26, o movimento se reuniu no Pátio da Reitoria pra mostrar sua força. O Reitor estava enrolando a comissão de negociação e então decidimos fazer um cordão na frente das portas pra pressionar a conquista das nossas pautas.

Foi com a força dos estudantes e nossa Ação Direta que mostramos pro Reitor Zaki Akel que vamos sair vitoriosos dessa luta, arrancando vitórias por nós mesmos. O movimento mostrou que está perdendo paciência e não vai mais ser enrolado!

Nossa luta é legítima! Lutamos por condições mínimas de ensino, lutamos contra o ajuste fiscal que rouba mais de 10 bilhões da educação pra enriquecer ainda mais os de cima!

Foi somente com a Ação Direta do movimento que a Reitoria começou a ceder nas negociações.

Avançamos na conquista de pautas para pessoas LGBT; Congelamento do preço do RU em R$1,30; Não suspensão das bolsas do PIBID; Bolsas monitoria garantidas até o final do semestre; Inicio das negociações unificadas dia 09/09; Apresentação do orçamento da UFPR no dia 15/09.

E mais uma vez, quando mexemos com os de cima, seu braço armado tentou nos intimidar. A mando da Reitoria, a Polícia Militar cercou a Reitoria, mas não desmobilizou a luta.

 

Ainda temos muito que avançar! Precisamos nos manter firmes na greve, demonstrando a importância da paralisação massiva e fazendo manifestações e piquetes enquanto não garantirmos uma educação pública, gratuita e de qualidade!

Acompanhe a página da Greve Estudantil UFPR

cqm

Não é de hoje que presenciamos inúmeros ataques dos de cima a nossos direitos básicos, conquistados pela luta dos movimentos sociais ao longo dos anos. Para piorar, em tempos de crise, são esses mesmos direitos que tentam nos tirar, demonstrando que o papel do Estado é o de legitimar e garantir os interesses da burguesia. Assim, em Agosto de 2015, os cortes de verbas sobre a educação já superam os 10 bilhões de reais, ameaçando concretamente a vida nas universidades, as condições de trabalho dos técnicos, docentes e a permanência de milhares de estudantes que necessitam de assistência para continuar seus estudos.

A resposta dos e das trabalhadores/as e estudantes a esse cenário não poderia ser diferente: é tempo de se mobilizar e resistir! Por isso, desde maio, servidores e docentes das instituições públicas federais de todo o país entraram em greve. Na UFPR, os servidores técnico-administrativos aderiram à greve desde o seu início; os professores, aderiram no último dia 6 à greve nacional da categoria.

Mas não são somente essas categorias que sentem na pele a necessidade da luta! No HC, as trabalhadoras terceirizadas da cozinha e limpeza paralisaram pela terceira vez esse ano. Sabemos das péssimas condições de trabalho a que estão submetidos os e as trabalhadoras terceirizadas e do risco de intensificação desse modelo de contratação com a aprovação da PL 4330. Por isso, nos colocamos lado a lado, em solidariedade de classe a todos os tercerizados que desempenham serviços tão necessários para a manutenção da universidade!

Entendemos que esses movimentos de luta são uma resposta dos trabalhadores e estudantes à precarização das condições de trabalho e estudo e ao sucateamento da educação. Com a história aprendemos que só a mobilização combativa traz conquistas e muda a vida! Aprendemos também que os estudantes muitas vezes tiveram papel fundamental em processos de luta por direitos e mudanças.

Sem título

Foi com a força da greve dos estudantes, unidos aos professores e servidores, que garantimos a gratuidade da universidade, barrando a cobrança de taxas como matrículas e protocolos, como no movimento de 2001. as políticas de permanência também são resultado da luta estudantil, que garantiu o aumento das bolsas, RU 7 dias por semana e três vezes ao dia, wi-fi, ampliação na frota do intercampi, incluindo o transporte para o litoral, auxílio-creche, ampliação na casa 3, entre tantas outras conquistas.

Nesse sentido, é que os estudantes da UFPR – reunidos na Frente de Mobilização Estudantil do Paraná – também já estão organizados e em luta desde o semestre passado, elencando pautas desde a base dos cursos até as reuniões gerais da FMEP . Hoje, diversos cursos já deflagraram greve estudantil, indicando que nossa luta vai se intensificar ainda mais.

Precisamos muito da união dos estudantes, servidores e professores para defender a educação pública. Para isso, o movimento precisa ser coletivo e construído desde a base dos cursos, através de assembleias de cursos e gerais. Precisamos demonstrar nossa força pela ação direta do movimento, ser criativo e ir para além dos atos e manifestações. a greve precisa ser forte e pressionar a Reitoria e o Governo Federal para conseguirmos conquistas reais!

Sem título

TODO APOIO À GREVE DOS TÉCNICOS, TERCEIRIZADOS E DOCENTES!

TODA APOIO À GREVE ESTUDANTIL!

PELA UNIFICAÇÃO DAS LUTAS!

Via MOB: https://organizacaodebase.wordpress.com/2015/08/14/parana-luz-e-um-direito-manifestacao-na-copel-santa-quiteria-13082015/

Ontem, no dia 13 de agosto de 2015, dezenas de moradores e moradoras da Portelinha e militantes do MOB de outros bairros fizeram uma manifestação em frente à COPEL – Santa Quitéria, reivindicando a regularização da energia elétrica na comunidade.

Após anos de luta pela regularização do terreno, água e luz, o Ministério Público do Paraná deu o aval para que a COPEL regularizasse a energia elétrica nas residências da Portelinha. Mas, mesmo com a autorização em duas publicações, a COPEL se negou a regularizar a luz.

Sabemos que só com o povo se organizando pela base, se manifestando por seus direitos, que conseguiremos conquistar nossos objetivos. Trancamos as entradas da COPEL durante algumas horas até sermos atendidos pelos representantes da companhia. Com as palavras de ordem “A nossa luta é todo dia, queremos água, luz e moradia!” e “COPEL, ouça meu grito, rede elétrica não é só para os ricos!” fizemos com que nossas exigências fossem atendidas e agora só nos resta acertar alguns detalhes com a Prefeitura Municipal de Curitiba e a COHAB para que a energia elétrica seja regularizada!

Se a Prefeitura e a COHAB não corresponderem com nossas exigências, vai ter mais protesto!

Ao final do protesto, a Polícia Militar mais uma vez tentou desmobilizar a manifestação, porém continuamos firmes! Protestar não é Crime!

E a luta continua! A regularização da água e do terreno ainda não saíram e este ano ainda vai ter muita luta para garantirmos nossos direitos!

Só com a união do povo vamos conseguir conquistar nossos direitos!
Eduardo Presente! Presente! Presente!

Luz é um direito e não mercadoria!
Lutar! Criar Poder Popular!
Protestar não é Crime!

11755516_1621723541378794_4021672708213446305_n 11825747_1621722931378855_8169864552584603888_n 11863323_1621722094712272_2851058909673931224_n 11863439_1621722688045546_3530404773327394414_n 11880534_1621721621378986_138402241634075575_n 11880563_1621722351378913_5058130879665401183_n 11887848_1621722268045588_4731034152695062494_n 11889535_1621723474712134_4175708491325614017_n 11891174_1621723251378823_7268604963303513164_n 11891981_1621722918045523_6406323504002119441_n 11899840_1621722358045579_8953220805710873311_n 11903751_1621723471378801_8336994913402500353_n 11903861_1621722684712213_4340701223043308444_n

Terceirizados do Hospital de Clínicas em GREVE!

Publicado: agosto 12, 2015 em Sem categoria

via Sinditest – PR

Cerca de 300 trabalhadores da empresa terceirizada Hamirisi, responsável pelos serviços de limpeza e cozinha do Hospital de Clínicas, cruzaram os braços a partir de segunda-feira, 10, por tempo indeterminado. A decisão foi tomada por unanimidade na sexta, 07, em assembleia da categoria.

O motivo é o atraso no pagamento dos salários que, segundo uma funcionária, já aconteceu pelo menos três vezes desde o mês de março. Em agosto, a Hamirisi recebeu apenas 30% dos repasses do HC. Por sua vez, os funcionários receberiam apenas 30% dos salários. O resto seria pago no decorrer do mês. “É uma coisa muito solta”, diz João Geronimo Filho, tesoureiro do Siemaco, o Sindicato dos Empregados em Empresas de Asseio e Conservação de Curitiba. Segundo ele, os atrasos têm acontecido não apenas no HC, mas também em outras empresas públicas, como os Correios.

Geronimo também reclama da falta de informações por parte da direção do hospital. Dessa forma, os funcionários não sabem a que se deve a falta de repasses. “A direção não procurou a gente, ninguém veio nem mesmo à reunião de hoje.” A assembleia aconteceu em uma sala dentro do próprio HC.

Os atrasos não se restringem apenas aos salários, mas também incluem benefícios, como o vale-transporte. “A gente precisa se virar com o que tem, trabalhar por fora, de diarista”, reclama Fátima dos Santos, funcionária da Hamirisi.

Sandoval Matheus,
Assessoria de Comunicação do Sinditest-PR.