Ciências Sociais

Coletivo Quebrando Muros recebe calouros

Entre os dias 31.01 e 02.01.2011, os membros do Coletivo Quebrando Muros estarão recebendo os calouros de Biologia, Ciências Sociais, História e Geografia, no Prédio da Santos Andrade-UFPR, local onde vem sendo efetuadas as matrículas para os calouros 2011. O Coletivo recepciona os calouros de tais cursos, por serem esses os curso onde o militantes da organização guardam relação direta com os estudantes, desta forma buscamos um diálogo que possa se realizado de maneira direta e cotidiana, mais que propagandismo e palavras de ordem.

Esta sendo realizado com estes calouros também uma pesquisa com intuito de traçar um perfil dos estudantes que entram na Universidade Federal do Paraná, assim como conhecer melhor aqueles os quais esperamos poder contar para os próximos períodos de lutas.

Leia o texto destinado aos calouros UFPR 2011 em sua recepção:

Olá calouros, bem vindos a UFPR 2011!

Nós somos o Coletivo Quebrando Muros.

Acreditamos que estejam felizes após o objetivo alcançado. Passar no vestibular requer um intenso esforço, um ano ou mais de dedicação. Afinal, não são muitas vagas, e as que existem são concorridíssimas. Que bom se houvesse vagas para todos, não é? Afinal educação é um direito. Mas sabemos que o direito só se garante na luta. Mas queremos falar de outras questões.

Você sabe o que é movimento estudantil?

Ora, tais palavras não deixam dúvida. Somos estudantes, porque convivemos com a realidade da educação e em particular com a da universidade. E estamos nos movimentando porque não concordamos com o estado atual das coisas, e para mudá-las temos mesmo é que nos movimentar. Esta definição pode parecer óbvia, mas o papel do movimento estudantil é importantíssimo para a defesa de uma universidade pública, gratuita e de qualidade. Mas você deve estar se perguntando de que forma os estudantes se organizam. É através das entidades e coletivos estudantis: os Centros Acadêmicos (CA’s) e o Diretório Central dos Estudantes (DCE). Os CA’s são entidades onde os estudantes se organizam para discutir as questões referentes aos seus cursos, e o DCE é a entidade que coordena as lutas em suas causas comuns da universidade.

E quem somos nós?

Nós, do Quebrando Muros, acreditamos que a forma como estas entidades vem geralmente sendo organizadas – pela democracia representativa não é satisfatória.  Este método tem favorecido que os Cas e DCEs sejam partidarizados e burocratizados contemplando muitas vezes a posição de um partido e operando assim de forma hierarquizada. A nossa proposta é a da organização que permita o protagonismo do PODER POPULAR de forma AUTOGESTIONÁRIA. Mas o que seria esta organização? Seria uma organização sem hierarquias ou chefes, independente de partidos políticos, do Estado e da reitoria da universidade, ou seja, uma organização de estudantes autônoma, que consiga pensar e agir por conta própria. Os estudantes devem estar organizados em suas próprias instâncias decidiriam diretamente a cerca dos assuntos que lhes dizem respeito, isto é, todo estudante participante da assembléia contribui igualmente nas decisões assim como na concretização do que foi decidido, por meio da delegação de tarefas. Pondo fim a forma de organização que coloca de um lado dirigido, e de outro dirigentes. Mantendo nosso ideal de liberdade, porém nos inspirando em situações concretas de luta autogestionária estasdade, porém nos inspiramos capazes de dar vida as nossas utopias. Por isso, não podemos esquecer-nos dos estudantes da gestão do CAEB (Centro Acadêmico de Estudos Biológicos) 2011 – Kunlaboro que constroem a Autogestão na pratica.

Dentro dessa lógica de quebra com relações hierárquicas convidamos à discussão fraterna e igualitária sobre temas atuais da realidade de nossa Universidade. Como: Será que o reuni veio para melhorar o ensino superior? A quantidade de professores vai aumentar, ou é só uma questão de estrutura física e aparência? O projeto do corredor cultural vai reestruturar o centro da cidade. Para quem? E os moradores de rua? Quais as implicações de uma fundação estatal de direito privado estar subsidiando pesquisas na Universidade? E pra que o aumento da tarifa? Haverá uma melhora no transcretas de luta autogestionária,porte? Pra quem vai esse dinheiro?

Continuaremos essas discussões na semana do calouro.

Para mais informações entre em nosso blog ou  em contato pelo email:

autogestaoufpr@gmail.com

quebrandomuros.wordpress.com

 

“Quando os de baixo se movem, os de cima caem!

Anúncios

Estudantes de Ciências Sociais realizam a Campanha : Rompendo as Amarras!

Estudantes de Ciências Sociais aproveitam o momento das eleições para Centro Acadêmico (24.11.2010) pra propagandear a proposta de um Centro Acadêmico Livre, isto é como aparece no abaixo assinado que visava a propaganda e a consulta da proposta

“Desta forma, vem ao público nossa proposta de gestão aberta/livre. Esta não é baseada no princípio da representação, isto é da escolha de estudantes que devem ser responsáveis legais e institucionais de todos os outros. Nossa proposta de gestão livre/aberta nada mais é que fazer da participação do CA uma associação livre. Isto é, qualquer estudante pode participar na medida em que for interessado, com as mesmas possibilidades que todos os outros. A ideia é abolir a autoridade de um grupo, em especial eleito e legalmente institucionalizado, ou seja, privilegiar a participação e não o reconhecimento burocrático.”

O abaixo assinado contou com o apoio de 22 assinaturas simpáticas a abertura da entidade dos estudantes de Ciências Sociais da UFPR o Centro Acadêmico de Ciências Sociais. Os estudantes responsáveis pela campanha agadecem o apoio e lançam o fraterno convite as lutas por parte destes.

O Coletivo Quebrando Muros manifesta total apoio aos companheiros responsáveis por esta luta,  somos solidários a proposta destes estudantes que fazem um esforço cotidiano por um movimento estudantil combativo, autônomo e horizontal!

É isso ai compas “Onde há muros, há o que esconder!”, por isso entidades livres já!

Abaixo segue o texto distribuído em panfletos pelos membros da Campanha:

 

Rompendo as Amarras!

 

 

Tempo de eleições, muitas promessas que alimentam mais uma vez expectativas de tempos melhores?!

Será a troca das figuras a nossa frente que resolverá nossos velhos problemas com organização?!

 

Mais um grupo aparecerá pedindo seus votos para se eleger ao CACS, obviamente prometendo o impossível, sem se quer sugerir a única possibilidade enquanto estudantes que é a organização. Acreditamos que sem a base estudantil em nada avançamos, por mais geniais e bem intencionadas que sejam as propostas.

 

 

No mais, analise quem são estes que lhe pedem o voto. São aqueles que tentaram animar os estudantes a se mobilizar ao longo do ano? ou se lembraram disso somente agora para pedir o seu voto?!

 

E os grupos que tem assumido o CA tem representado a todos ou a posições pessoais e de suas organizações políticas?!

 

E se o objetivo é dialogar com os estudantes por que a gestão do CA não pode ser feita com os demais interessados? A busca pela conquista do CA e monopólio de um grupo, para que somente participem seus pares, isto é, aqueles que pensam igual , não é justamente o que inviabiliza a democracia e a participação?!

 

Esclarecemos que nada temos contra uma participação que seja positiva de membros de partidos políticos, mas estas que visam o aparelhamento e supressão de qualquer participação estudantil que extrapole os quadros de seu partido não serão aceitas sem denúncia de nossa parte.

 

Sendo assim fazemos o chamado a todos aqueles que desejam mudança de nosso CA, pois ele é de todos os estudantes , em direito e responsabilidade.

Todos que tem a vontade de colaborar nesta mobilização são bem aceitos, afinal o CA é lugar de todos os estudantes independente de sua orientação política.

 

O CA é o espaço onde os estudantes do curso deveriam se encontrar em solidariedade para discutir seus problemas, elaborar soluções e lutar por elas.

O CA deveria ser ABERTO e LIVRE as contribuições de todos os estudantes interessados, não restrito a uma minoria e seus interesses, que se legitimam com seu voto. A responsabilidade esta em suas mãos ou VOCÊ SE ANULA VOTANDO, OU AGE SE ORGANIZANDO!

 

Somente ROMPENDO com as velhas AMARRAS que nos impedem de nos movimentar é que conseguiremos vislumbrar dias melhores ao nosso CACS!

[GTSociais] A discussão Continua

O Grupo de Trabalho Sociais, surgiu no primeiro semestre de 2010, animado por estudantes do curso de Ciências Sociais que desejavam se organizar para debater e coordenar ações a respeito das problemáticas de seu respectivo curso.

Desde então o Grupo vem se reunindo e mantendo suas atividades todas as quartas-feiras a das 09:30 as 10:30 hs, no anf.600 do Prédio D. Pedro I na Reitoria da Universidade Federal do Paraná. O Grupo se mantém de forma independente (de partidos e outros coletivos) , e tem uma estrutura horizontal, isto é todos que participam tem igual direito de decisão.

Desta vez o tema em debate e a divisão do curso em áreas. Devido a resolução do MEC que determina que todos os cursos que tem como domínio as áreas de bacharelado e licenciatura devem oferecer agora em cursos distintos estas duas formações, isto é uma formação de bacharel em Ciências Sociais e uma de Licenciado em Ciências Sociais.

Vide resolução do MEC no linc:

http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/009.pdf

Tal resolução suscita obviamente uma série de polêmicas, justamente por mudar toda a estrutura curricular do curso, sem falar no impacto na formação e profissionalização do cientista social.

Percebendo este problema os estudantes participantes do GTSociais vem organizando debates em torno do tema. O primeiro foi com o Professor Alexandro Dantas Coordenador do Curso de Ciências Sociais da UFPR, que apresentou as mudanças que resultaram no curso tal imposição do MEC. Desta vez o debate é com o professor Altair Pivovar do departamento de educação da UFPR.

O debate esta marcado para esta quarta-feira (27.10.10) no anf.600 no prédio D. Pedro I, Reitoria UFPR a partir das 09:30. Contamos com sua participação.

O coletivo apoia A Campanha Nacional pelo Limite da Propriedade da Terra.

http://www.limitedaterra.org.br

Os membros do Coletivo Quebrando Muros apoiam a construção da Campanha do limite da terra no Brasil. Em conjunto de membros de outros coletivos como o GEA (Grupo de Estudos sobre Autogestão), Coletivo Mangue, GTSociais e também do Centro Acadêmico de Psicologia colaboram com a realização da coleta de votos para o plebiscito, assim como na coleta de assinaturas para o abaixo assinado para o projeto de lei de limite da propriedade ambas as iniciativas encabeçadas pelos movimentos populares. Acreditamos ter tido um saldo positivo nos dois pontos que estivemos auxiliando na organização, tanto na Reitoria como no Biológicas.

É isto ai continuaremos travando nossas lutas no latifúndio do saber, e sempre que possível apoiando as lutas dos movimentos populares contra o latifúndio e outras injustiças sociais.

Saudações Libertárias!

Coletivo Quebrando Muros.

Para mais informações:

http://www.limitedaterra.org.br