movimento sindical

Terceirizados param por falta de pagamento no HC/EBSERH

Via: SINDITEST-PR

Trabalhadores terceirizados do serviço de nutrição e zeladoria do Hospital de Clínicas, contratados pela Empresa Hamirisi cruzaram os braços na manhã desta quinta-feira em protesto contra a falta de pagamento salarial.

Recentemente a Hamirisi já estava contratada pelo Hospital de Clínicas para prestar serviço de zeladoria e, recentemente “ganhou” a licitação para o serviço de nutrição. A mesma empresa que no mês de janeiro já havia atrasado pagamentos.

Nesta manhã, os terceirizados paralisaram o serviço porque o salário que deveria ter sido depositado no último dia 06 de julho, até o momento não estava na conta dos funcionários, além da ausência do vale-transporte. As funcionárias sequer tem dinheiro para volta para casa.

Outro atraso também causou revolta, é a ausência do pagamento de férias dos trabalhadores FUNPAR/HC. Em resposta dada por telefone, a FUNPAR afirma que não recebeu recursos do HC para efetuar esse pagamento e que só deverá fazê-lo na próxima sexta-feira, dia 10 de julho.

Esta é a realidade do HC/EBSERH. Agora que virou empresa, o Hospital de Clínicas aprofunda a injustiça contra os trabalhadores e confirma a previsão do sindicato: a EBSERH não é a solução!

greveHC

A Fagulha N°10 – maio/2015

O Coletivo Quebrando Muros acaba de lançar a 10ª edição do jornal A Fagulha! Nesta edição falamos sobre a luta dos servidores e servidoras do Paraná, os ataques da classe dominante à Educação, a tentativa de aumento da terceirização e de redução da maioridade penal.

Confira nossos textos sobre: resistência dos servidores e servidoras à repressão e corte de direitos; sindicalismo combativo x burocracia sindical; luta e ataques à Educação; TERCEIRIZAÇÃO NÃO: ataque da classe dominante com o PL4330; e REDUÇÃO NÃO: Paraná contra a redução da maioridade penal.

Confiram clicando na imagem ou no link: A Fagulha 10

a fagulha10

[Curitiba] 2º Círculo de Estudos em Sindicalismo Revolucionário

O Coletivo Quebrando Muros convida para o 2º encontro do Círculo de Estudos sobre Sindicalismo Revolucionário!

Nesse próximo encontro faremos uma abordagem crítica sobre a Central Única dos Trabalhadores (CUT) com o apoio do professor de Economia da UFPR, Lafaiete Neves.

O objetivo do Círculo de Estudos é o de construir uma proposta de atuação libertária no meio sindical e para tanto, nosso 1º encontro debateu o tema “Sindicalismo e Movimentos Sociais”, em que foram tratadas questões como burocracia sindical e o papel de um sindicato combativo e de resistência na organização da classe trabalhadora.

Quando: Sábado, 23 de maio, 15 horas.

Onde: Sala 502 – prédio Dom Pedro II – Reitoria da UFPR

O massacre da educação e a luta dos de baixo

29 de abril será lembrado como o dia em que o governo do Estado do Paraná promoveu um massacre. A dois dias do histórico Primeiro de Maio, o Centro Cívico de Curitiba foi transformado em palco de guerra para garantir que o governador colocasse as mãos na aposentadoria de milhares de servidores e servidoras. Milhares também foram os policiais deslocados para ferir mais de 400 manifestantes, em uma operação militar brutal que mobilizou grande parte do aparelho repressivo estadual, com jatos d’água, cães, cavalaria (não utilizadas, mas estava preparada), armas de choque (estavam preparadas), e atiradores de elite (estavam mais do que preparados) além dos já habituais spray de pimenta, gás lacrimogênio e balas de borracha.

 11181945_811906555553066_6223538502275955133_o

A repressão foi para impedir que dezenas de milhares de trabalhadores, trabalhadoras e estudantes ocupassem a Assembleia Legislativa, cientes de que só a ação direta impediria a aprovação do PL 252/2015, que garante o roubo da previdência.

Para tentar nos amedrontar, também foram realizadas várias prisões, entre elas a de 4 estudantes da UEL, que estavam acampados para barrar mais este ataque. Os estudantes foram barbaramente sequestrados por policiais a paisana e enquanto se dirigiam ao acampamento sofreram diversas ameaças.

Enquanto alguns estavam presos e centenas hospitalizados o governador Beto Richa dava pronunciamento, vergonhosamente mentiroso e descarado, em que afirmava ser vitima de injustiça.

Não nos intimidaremos.

Injusta é a classe dominante! Responderemos à repressão com organização!

Hoje, quinta-feira, houve um novo ato contra os ataques do Estado aos direitos dos trabalhadores e trabalhadoras e contra a violência do Estado, com milhares de pessoas.

Tivemos três detidos que já foram soltos.

Amanhã, Primeiro de Maio, dia de luta e luta, haverá uma nova manifestação em frente à Praça 19 de dezembro, às 9 horas!

Seguiremos convictos de que só a organização e a radicalização dos de baixo barrará os ataques dos de cima.

Contra os ataques deste governo fascista!

Contra a repressão e criminalização dos movimentos sociais!

Lutar! Criar Poder Popular!

[Sindical] Todos à ALEP nessa segunda contra mais um ataque do Estado!

No mês de fevereiro, os trabalhadores venceram os patrões mais uma vez, através da ação direta. O funcionalismo público do estado do Paraná derrotou, através da união e da luta, os poderes legislativo e executivo e as ameças à sua previdência e seu plano de carreira propostas por esses poderes. Foram várias marchas pelas ruas de Curitiba e em outras cidades; assembleias; acampamentos; e duas ocupações da ALEP!

Mas nova ameça aos trabalhadores se apresenta: o governo enviou novo projeto que ataca a previdência do funcionalismo público, e seus cúmplices na Assembleia Legislativa o aprovaram na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça). Diante de tamanha provocação, no sábado (25/04), os trabalhadores em educação do Estado do Paraná, votaram pela retomada da greve geral e pelo enfrentamento aos ataques do governo.

O projeto volta a tramitar nessa segunda-feira (27/04). Os deputados aprovaram a votação em regime de urgência e farão sessões extraordinárias para garantir o assalto ao fundo previdenciário. O judiciário determinou o interdito proibitório que restringe as ações dos trabalhadores contra a votação. O governador Beto Richa ordenou o cerco policial à ALEP.

Esse cenário mostra-nos que o poder executivo conta com os poderes legislativo e judiciário para nos agredir e roubar. Porém, mostra também que o governo teme a força de nossa união e de nossas ações! É a realidade concreta que nos mostra: não podemos em hipótese alguma nos resignar e esperar cair das mãos de representantes migalhas do que já é nosso por direito. Só a nossa ação direta garantiu a vitória em fevereiro, só a ação direta garantirá uma nova vitória.

Por isso, o Coletivo Quebrando Muros chama a todas e todos para marcharmos nessa segunda-feira (27/04) contra o governo Beto Richa, seus cupinchas na assembleia e no judiciário, e seus projetos contra o funcionalismo público. A concentração será a partir das 9h, na praça 19 de dezembro.

Vamos à luta e à vitória, companheirada!!!

Amanhã vai ser maior!!!

[SINDICAL] Todxs à Assembleia de Londrina! Em defesa da previdência e contra a PL 4330!

Nossa greve acabou e nossos problemas continuam. Após uma luta histórica, que tem servido de referência para trabalhadores em educação de todo o país, nós, pessoas trabalhadoras em educação do Paraná nos vemos em uma situação precária. Retornamos para as escolas com pautas que haviam sido anunciadas como “vitórias da categoria” sem serem cumpridas, como, a reabertura das turmas e reorganização com referência no porte de Dezembro de 2014. Escolas sem o quadro de professores, pedagogos e funcionários completo e com as verbas do fundo rotativo do ano anterior atrasadas. Casos, como em Curitiba, em que a própria diretora está indo cozinhar para garantir a merenda porque não tem funcionários.

Na assembleia do dia 9 de março votamos contra o encerramento da greve. Sabíamos que um acordo firmado pelo judiciário não resultaria em vitórias reais para a categoria. A justiça serve como ferramenta para os poderosos, não serve às pessoas trabalhadoras. Naquele momento devíamos ter enfrentado o judiciário, da mesma forma que enfrentamos e derrotamos o legislativo e o executivo. Agora, a saída que nos resta é aprender com essa experiência: nenhuma confiança no judiciário! As únicas ferramentas capazes de garantir nossos direitos são nossa organização e a ação direta. Na atual conjuntura, temos a repetição do ataque à previdência, agora na forma de uma segregação de massas. Na prática, o governo PSDB está buscando confiscar nosso fundo previdenciário aos poucos, ao invés de fazê-lo de uma única vez. Além disso, vemos o avanço da PL 4330 no congresso federal, um dos mais sérios ataques que a classe trabalhadora está sofrendo nos últimos tempos.

A APP sindicato é o maior sindicato do Paraná, é nosso dever construir essa luta! As universidades estaduais retomando suas greves e outros setores da educação também estão em greve em várias partes do país. O ataque à previdência tem um grande potencial de levar a mobilização não somente da nossa categoria, como de todo o funcionalismo público do Paraná. Muitos de nós, trabalhadores e trabalhadoras da educação, estamos revoltados com a atual situação. Por isso, convidamos todos para a assembleia de Londrina, pela retomada da greve! Em defesa da previdência, pela garantia das condições de trabalho e contra a PL4330!

Procure seu núcleo sindical, para garantir sua ida. Assembleia Estadual Extraordinária Data: 25 de abril de 2015 Horário: 08h Local: Canadá Country Club Endereço: Av. Juscelino Kubitschek, 1854 – Londrina/PR

londrina

[RP Sindical – RS] Terceirização: Mais exploração e retirada dos direitos trabalhistas

Retirado de: https://www.facebook.com/rpsindical/photos/a.1426410284295321.1073741827.1426407787628904/1577482789188069/?type=1&fref=nf

A PL 4330 é um projeto de lei, recentemente aprovado na Câmara dos Deputados, que permite que a terceirização ocorra de forma irrestrita, ou seja, que todos os serviços possam ser subcontratados pelas empresas. Isso inclui a “terceirização da atividade-fim”, a atividade principal de uma empresa (antes da PL somente era permitido a atividade-meio).

Como ocorrerem os subcontratos?: A terceirização já uma realidade em boa parte dos setores de serviços, impondo um regime de extrema exploração aos trabalhadores. Esse tipo de contrato se dá através de uma terceira empresa que faz o vínculo entre o trabalhador e a empresa onde exerce sua função.

Algumas consequências às condições de trabalho:

1) As empresas terceirizadas costumam não pagar inúmeros direitos e no caso, da “pejotização” (criação de pessoas jurídicas), os DIREITOS TRABALHISTAS, como férias e 13° salário, não serão respeitados. Como a empresa que emprega não é a que recebe os serviços (ao menos formalmente, pois não faltam casos de “laranjas”) é regra e não exceção que se faça vistas grossas aos atrasos e desmandos contra os trabalhadores terceirizados.

2) Redução salarial: segundo o Dieese, o salário de trabalhadores terceirizados é 24% menor do que o dos empregados formais. Em alguns casos, como nos bancos, chega a ser 70% menor.

3) Divisão dos trabalhadores em diferentes sindicatos, acarretando perda do poder de mobilização e luta. Além disso a grande maioria dos sindicatos que representam terceirizados são “sindicatos patronais”, formados e controlados pelas empresas prestadoras de serviços. Assim, não só dificultam a luta dos terceirizados como assinam acordos que prejudicam ainda mais estes trabalhadores para beneficiar as empresas.

4) Perda da estabilidade: O PL 4330 incentiva rotatividade dos trabalhadores. Demitir para não acumular direitos trabalhistas e recontratar com salários ainda piores é uma das regras das empresas terceirizadas. Abre-se ainda mais a brecha para que os concursos públicos sejam substituídos por contratação de trabalhadores vinculados a empresas tercerizadas, o que já acontece em diversas áreas, como limpeza e alimentação nas escolas e universidades por exemplo.

5) Saúde do trabalhador: o trabalhador terceirizado está sujeito a condições de trabalho muito mais precárias. Hoje, a cada 5 mortes por acidente de trabalho, 4 são de trabalhadores terceirizados. O assédio moral, também é muito maior quando se trata de trabalhadores terceirizados e as jornadas de trabalho por vezes chegam a 12, 14 horas por dia acarretando diversos problemas de saúde, como estresse, ansiedade e depressão. Os trabalhadores não são mais encarados enquanto tais, mas sim como “colaboradores”.

Lutar desde as bases contra a terceirização

A aprovação da PL 4330 significa a precarização das condições de trabalho e a flexibilização dos direitos. A terceirização deve ser combatida em prol de empregos estáveis e com direitos e não regulamentada como querem os patrões.

Nesse momento, é muito importante a organização e mobilização de toda classe trabalhadora: efetivos e terceirizados. Busque construir formas de paralisação, organização de debates, concentração em espaços públicos, panfletagem, participação dos atos agendados. Em seu local de trabalho, discuta os efeitos da terceirização, mobilize seus colegas e manifeste sua rebeldia!

A maioria das centrais sindicais convocam para o dia 15/4 mobilizações por todo o país contra a PL 4330. É importante que tomemos parte nessas mobilizações desde cada local de trabalho. Mas não devemos nos contentar com isso! Cabe a todos nós seguirmos a luta para além do dia 15/04, sem confiar em nas centrais governistas que também convocam os atos (caso da CUT e CTB por exemplo). Infelizmente, estas centrais estão mais preocupadas em negociar o PL, buscando “sensibilizar” parlamentares, ministros do TST, STF e a presidente Dilma/PT para vetar o PL.

Sabemos que tudo isso não passa de enrolação! É urgente fortalecer a luta das diversas categorias que começam a se levantar, entre elas trabalhadores terceirizados na limpeza da UFRGS e no município de POA. Fortalecer desde cada local de trabalho nossa organização e luta contra os ataques de patrões e governos, buscando unificar as lutas é a única possibilidade de termos uma grande onda de lutas contra a terceirização que possa culminar em uma greve geral.

É desde cada local de trabalho, debatendo pacientemente e envolvendo colega por colega nessa necessária e urgente luta que conseguiremos barrar este ataque brutal dos patrões contra nós, trabalhadores.

Não aceitamos nenhum direito a menos!
Basta de terceirização e empregos precários!
Basta de salários defasados e assédio moral.

Resistência Popular – Tendência Sindical

 

[MARINGÁ] MOVIMENTO ESTUDANTIL DA UEM DELIBERA ASSEMBLEIA PERMANENTE

Na tarde de hoje (terça-feira 03), o Movimento Estudantil da Universidade Estadual de Maringá realizou no campus sede um ato com mais de 300 estudantes de todos os campi, em protesto ao sucateamento da educação na universidade e à falta de políticas de assistência estudantil, assim como à precarização generalizada dos serviços públicos do Paraná e a retirada de direitos dxs funcionárixs estaduais.

Ao fim do ato, xs estudantes entraram na plenária do Conselho Universitário e realizaram assembleia estudantil. A Reitoria participou da reunião para responder aos questionamentos dxs alunxs, referentes principalmente à situação da reforma do Restaurante Universitário, à falta de políticas culturais, à situação periclitante dos campi regionais e às políticas de assistência e permanência estudantil.

Diante da falta de perspectivas frente à precarização generalizada, xs estudantes deliberaram manter mobilização no local em assembleia permanente, com indicativo de ocupação por tempo indeterminado a partir de amanhã (quarta-feira, 04), e deflagrar greve estudantil em apoio às greves dxs servidorxs públicxs. As falas dxs estudantes cobraram enfaticamente o governo estadual quanto a sua política de precarização e demandaram mediação da Reitoria no sentido de garantir o cumprimento das demandas. Amanhã, em assembleia estudantil às 18h30, haverá deliberação quanto aos rumos do movimento.

10295750_780280905381565_4197151736469458626_n

CARTA CONVOCANDO ESTUDANTES DAS UNIVERSIDADES ESTADUAIS À LUTA

Dia 25 de fevereiro de 2015 em um ato unificado do funcionalismo publico, xs estudantes de diversas universidades estaduais, com apoio da UFPR, escreveram esse documento destinado às bases do movimento estudantil:

“Após uma grande passeata dxs servidorxs públicxs do estado do Paraná em conjunto com xs professorxs em greve e estudantes das escolas e universidades estaduais que se encerrou em frente ao Palácio do Iguaçu, nós estudantes de diversas universidades estaduais nos reunimos para debater a atual conjuntura dessas instituições bem como as demandas estudantis. Estiveram presente estudantes das seguintes IES Estaduais: UEPG (Centro e Uvaranas), UEM (Maringá, Cianorte e Umuarama), UNICENTRO (Irati e Guarapuava), UNIOESTE (Cascavel e Rondon), UNESPAR (Campus Curitiba 2) além de secundaristas, estudantes de outras instituições de ensino superior público e entidades do movimento estudantil.

Durante o debate foram levantadas várias pautas de cada universidade presente, porém entendemos que por ter sido uma reunião espontânea e auto-organizada, não houve pretensão de alcançar representatividade suficiente nesse espaço para elencar as demandas específicas de cada campus, tendo em vista que houve participação de um pequeno número de estudantes, além da ausência de alguns campi e universidades, como a UEL e a UENP. Por outro lado, houve consenso em algumas pautas gerais como o sucateamento das universidades estaduais, a falta de assistência estudantil e o combate ao projeto de “Autonomia Universitária” apresentada pelo governo Beto Richa (PSDB).

Nesse sentido convidamos todxs xs estudantes para participarem da nossa luta, organizando em suas universidades e em seus campi assembleias e eventos que debatam suas demandas específicas, e que fortaleçam o debate e a luta pelas pautas gerais elencadas nessa carta. Propomos então uma agenda unificada de atos em todos os campi das universidades estaduais para apresentarmos nossas demandas às reitorias/direções e ao governo.”

Curitiba, 25 de fevereiro de 2015.

OBS.: O uso do X nas palavras tem o objetivo de contemplar todas as pessoas, inclusive as que não se identificam no gênero feminino ou masculino.

cqm

A classe trabalhadora é protagonista de sua própria história!

Assim tem demonstrado o funcionalismo público do estado do Paraná, ao construir uma greve de grandes proporções diante da ameaça iminente de desmonte dos serviços públicos promovida pelo governo neoliberal de Beto Richa.

Vamos aos fatos: reuniram-se 10 mil trabalhadores da educação numa assembleia e marcha histórica em Guarapuava, no dia 07/02, que deflagraram a greve; bravamente, o seu acampamento resiste há 20 dias diante do Palácio Iguaçu, faça muita chuva ou faça muito sol; frente aos sorrisos irônicos e do desprezo de desprezíveis parlamentares, aprenderam que de nada adianta contar quantos votos poderiam ser a nosso favor, pois eles não nos representam; através da ação direta, os trabalhadores ocuparam por duas vezes a Assembleia Legislativa do Estado (na primeira vez, sob a tensão permanente de uma possível ação violenta das forças policiais para desocupar esse espaço de poder, na segunda vez, heroicamente, sob balas de borracha, gás lacrimogêneo, spray de pimenta e truculência policial); sofrendo ataques de setores da mídia, combatendo a contra-informação, desfazendo boatos, dialogando constantemente com a sociedade, fazendo e recebendo os mais variados gestos de solidariedade, resistem; como se não bastasse, no dia 25/02, deixaram Curitiba impressionada com uma marcha gigantesca de 50 mil pessoas exigindo educação pública e de qualidade, sob o mote: nenhum direito a menos!

Resistimos aos ataques e garantimos provisoriamente muita coisa, mas…

Ao fim de 3 rodadas de negociação com representantes do governo (o governador Beto Richa não dá as caras), temos, além das vitórias, uma série de promessas, provindas de um governo sem credibilidade alguma, que comprometeu o orçamento do estado, que, na hora do aperto, tem a audácia de tentar retirar os poucos recursos da classe trabalhadora, para satisfazer os exploradores, seus aliados e financiadores!

Depois de construir uma greve tão forte e admirável, referência para outras categorias e para outros lugares do Brasil e do mundo; depois de fazer o papel de protagonistas da luta, fazendo-a avançar para além dos limites da burocracia, vamos cumprir o papel de recuar? Havendo tantos pontos obscuros no cumprimento de nossa pauta de reivindicações, devemos ceder? Devemos recuar e trair nosso próprio grito de guerra?

NENHUM DIREITO A MENOS!

Vemos as estratégias utilizadas pelo governo. Além de atacar os trabalhadores em educação com a polícia, agora apresenta ameaça de judicializar a greve. Propõe discutir a questão da previdência num futuro indeterminado, buscando desvincular essa pauta da nossa luta. O fundo previdenciário é o principal alvo do governo, colocando outros ataques apenas como um chamariz. Ele visa os 8 bilhões do fundo para resolver as suas dívidas. Por isso não podemos ceder a essas estratégias! Devemos manter a greve forte, independente dos ataques, e devemos mantê-la até termos garantia quanto à segurança do nosso fundo previdenciário, incentivando inclusive a luta das outras categorias.

Por isso e mais forte do que antes, A GREVE CONTINUA!

Lutar! Criar! Poder Popular!

10986647_598628466940302_5624314693312860327_n                                                               (Fonte da imagem: Revista Fórum)