ocupação

Movimento estudantil combativo da UNESPAR na luta contra a retirada de direitos

Na tarde do dia 29 (terça), estudantes da UNESPAR Curitiba (FAP e EMBAP) saíram em ato para a SETI (Secretaria da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior), visando negociar suas reivindicações. Os/as estudantes, que mantém ocupações em seus locais de estudo, foram barrados nos portões e ameaçados com armas de fogo pelos seguranças.

15267895_1194354607321773_2908018921157932277_n.jpeg

Foto: Revista Vírus

A SETI é a secretaria do governo estadual que define e coordena as políticas que envolvem o Ensino Superior do estado. As Universidades Estaduais vem sofrendo com a sistemática precarização e privatização das instituições, e a Unespar é uma das universidades que se encontra em situação alarmante. As verbas de custeio vêm deixando de ser repassadas e não há recursos para a manutenção dos cursos, equipamentos, pagamento de funcionários, contas e permanência estudantil. As verbas previstas para a UNESPAR em 2017 não serão suficientes nem para manter o funcionamento da universidade durante o ano, e as aulas certamente serão interrompidas por falta de recursos. A maior parte dos trabalhadores e trabalhadoras dos campi são terceirizados e são várias as ocasiões em que ficam sem receber salário, devido à falta de pagamento da universidade e à exploração das empresas.

DSC01605.JPG

Ninguém vai privatizar a Unespar. Foto: Estudante

Mas se as condições da educação estão piores, é também maior a disposição pra lutar. A FAP e a EMBAP são as últimas universidades ainda ocupadas na cidade, em um movimento que iniciou no dia 4 de novembro. Os/as estudantes resistem pois sabem que se não houver luta agora as portas da universidade serão fechadas em 2017, e nos próximos 20 anos muitas outras farão o mesmo em decorrência do congelamento dos gastos do Governo Federal previsto pela PEC 55 (que estabelece limite para os gastos públicos pelas próximas duas décadas).

Nós do Coletivo Quebrando Muros nos colocamos juntos às e os estudantes de luta, construindo todos os dias a resistência contra os ataques dos governos. As consequências dessas medidas serão duras e poderemos sentir por muito tempo. É preciso avançar na organização do movimento estudantil autônomo e combativo, acumulando força, experiência e articulação conjunta com outros setores da classe oprimida. A luta do povo organizado é a única forma de barrarmos os ataques aos direitos e garantirmos educação e saúde públicas, gratuitas e de qualidade.

DSC01615.JPG

Estudantes em ato, em frente à SETI Foto: Estudante

Por uma vida digna! Nenhum direito a menos!

NOTA DE APOIO ÀS OCUPAÇÕES NA UFPR – Não aceitaremos nenhum direito à menos!

Em meio às ocupações iniciadas por secundaristas que protestam contra a MP 746, que visa uma “Reforma” no Ensino Médio, e a PEC 241, que prevê o congelamento de investimentos públicos por 20 anos, uma ocupação foi iniciada na noite do dia 24/10/2016 (segunda-feira) no prédio Dom Pedro I no campus Reitoria da UFPR fomentada principalmente a partir de estudantes do curso de Pedagogia e com a participação de alguns estudantes de outros cursos. Hoje pela manhã uma outra ocupação foi iniciada pelos estudantes de Educação Física no campus Botânico em Curitiba, onde o Restaurante Universitário está fechado e apresenta diversos problemas estruturais. Os cursos de Turismo e Filosofia já deflagraram greve estudantil. Os Técnicos Administrativos estão em greve desde a última segunda-feira. Na UFPR Litoral em Matinhos, estudantes, técnicos e professores também se mobilizam e paralisam as aulas. A luta contra essas medidas é de todos(as) trabalhadores e estudantes, pois todos(as) seremos afetados(as) por tais medidas que visam acabar com nossos poucos direitos conquistados ao longo de vários anos de lutas.

Ao mesmo tempo, a direita se organiza para tentar deslegitimar a ascensão dos movimentos de resistência.Temos assistido em Curitiba e Região a atuação da direita fomentando movimentos de desocupação com depredação e violência, na tentativa de desarticular a luta contra a precarização da educação dos secundaristas, e na Universidade vemos a mesma movimentação partindo de estudantes que insistem em desconsiderar a gravidade do congelamento dos investimentos, já insuficientes, nos serviços públicos e da precarização da formação no ensino básico que terá reflexos diretos também para o ensino superior. Entendemos que todos nós devemos colocar nossos esforços para apoiar esse movimento de ocupações nas escolas, mas enquanto estudantes da UFPR também temos pautas para lutar e as mobilizações em nossa Universidade também cumprem um papel político importante ao paralisar as aulas e prestar apoio ao movimento marcando nossa posição.

A ocupação começou sem serem consultados os Centros Acadêmicos daquele prédio, nem havendo uma conversa aberta com a base sobre como ocorreria a ocupação. Um evento foi puxado em cima da hora no intuito de construir uma reunião setorial, a partir de alguns militantes, atropelando assim a possibilidade de mobilização dos demais cursos. Ao mesmo tempo o que estava ocorrendo era uma assembleia dos estudantes da Pedagogia, desse modo no começo algumas confusões atrapalharam a unidade de estudantes do campus. Frisamos isso pelo fato de acreditarmos que as ocupações devam ser pautadas por toda a comunidade acadêmica envolvida nesse espaço ocupado com apoio mútuo e participação de todos e todas os/as estudantes que podem e devem opinar sobre o prédio ou campus ao qual estão inseridos. Não é nosso papel nesse texto criticar a ocupação em si, pois acreditamos que ela tem um papel importante nas lutas pelas nossas reivindicações e é uma forma de reanimar o movimento estudantil na Universidade, contudo, devemos ter cuidado com nossos ânimos para não deixar que o processo de ocupação se torne algo verticalizado e sem construção conjunta das bases, que são a maior força de apoio de qualquer ocupação e lutas não só no movimento estudantil como nos movimentos sociais diversos. Dessa forma, ressaltamos que nossa crítica não é direcionada à ocupação, mas sim a forma como essa ocupação foi construída inicialmente.

Neste momento a conjuntura pede união nas trincheiras para resistir aos ataques impostos ao povo. Mas não deixaremos que o oportunismo de determinados grupos políticos passe despercebido entre nossas fileiras. Setores da juventude do PT, como o coletivo Kizomba, tentam se colocar à frente do movimento e usá-lo para autopromoção, de forma semelhante ao que acontece no movimento estudantil secundaristas por parte de entidades como a UPES (União Paranaense dos Estudantes Secundaristas) e a UBES (União Brasileira dos Estudantes Secundaristas), aparelhadas pela juventude do PCdoB.  

Sabemos como tais organizações atuam atreladas aos setores da classe dominante e do Estado, com acordões impostos e que tentam colocar suas decisões de cima pra baixo passando por cima do conjunto de estudantes. Essa militância não vê problema em apoiar um Reitor e um governo que diversas vezes nos atacou em benefício dos de cima e ao mesmo tempo querer puxar uma ocupação, mas ficamos felizes em saber que o movimento de ocupação da UFPR possui em sua maioria estudantes que não compõem essas organizações e que não irão deixar que essa forte e importante mobilização para barrar os ataques à população sirva como palanque para sua atuação pelega.

A ocupação é legítima e deve ser construída lado a lado pelos estudantes de forma horizontal e autônoma, sem deixar que grupos políticos fiquem a vontade para cooptar o movimento. Que as plenárias sigam como instâncias máximas de deliberação e que não prevaleça o protagonismo de certos grupos sobre a organização do movimento. É pela ação dos de baixo e com independência que pressionaremos o Governo e a Reitoria!

14690980_1800042066927336_942542380883576554_n

Ocupar e Resistir contra a retirada de direitos, é pela base que se cria poder popular!

Todo apoio à ocupação da Escola Estadual Pe. Arnaldo Jansen!

Na noite de ontem, dia 03.10.2016, os estudantes secundaristas da E.E. Padre Arnaldo Jansen, em São José dos Pinhais, decidiram coletivamente ocupar a escola, como forma de protesto às propostas de reforma do ensino médio feitas pelo governo Temer. Já defendida por Dilma, a reforma é imposta agora na Medida Provisória 746.

Essa medida vem como mais uma frente de ataque à educação pública, e tem como carro-chefe a retirada das disciplinas de Artes, Educação Física, Filosofia e Sociologia e  do currículo obrigatório, ao mesmo tempo que dá um caráter mais técnico à formação e aumenta a carga horária de 800 para 1400 horas por ano. Além disso, ela também dá ao aluno a chance de “escolher” dentre 5 áreas para “aprender sobre os temas com mais afinco”. No entanto, as escolas não serão obrigadas a ofertar necessariamente todas elas (linguagens, matemática, ciências humanas, ciências da natureza e formação técnica), deixando no currículo obrigatório em todo o Ensino Médio apenas as disciplinas de Matemática,  Português e Inglês. Isso significa uma formação que não promove a reflexão e a crítica, e somente prepara os alunos como massa de trabalhadores a serviço do capital. Não sendo o bastante, a Medida Provisória também precariza o corpo docente, pois permite que profissionais possam “ministrar conteúdos de áreas afins à sua formação”. Ou seja, deixa de ser necessária uma formação técnica ou superior específica na área, fazendo com que uma formação em história possa ser o suficiente para o docente dar aulas de geografia, por exemplo. Não nos enganamos, sabemos que não há interesse nenhum em melhores condições de ensino, somente em uma formação mais rápida, eficiente e barata de mão de obra!

Contando com mais de 200 estudantes, a ocupação já na mesma noite foi alvo de intensa repressão policial, contando com a polícia militar e a guarda municipal para tentar desmobilizá-los e pressionar os alunos. Percebemos desde já a repressão por parte do Estado contra os de baixo que protestam de forma legítima e autogerida pelos seus direitos! Mas a lição de casa dos estudantes está sendo bem feita: OCUPAR E RESISTIR! Os alunos pedem apoio da comunidade com doações de alimentos, bem como apoio estrutural, como xerox, colchões, produtos de higiene. Além disso, pessoas que possam contribuir com oficinas, rodas de conversa, cursos ou demais atividades serão bem-vindos!

14523009_1225291504189300_2431351307027269_n

Foto: Estudantes ocupam E.E. Arnaldo Jansem contra a reforma do ensino médio.

É necessário ressaltar a importância dessa ocupação, pois é a primeira no estado do Paraná em protesto à MP 746. Outros estados como São Paulo e Rio de Janeiro já tem diversas escolas ocupadas, mostrando que é SÓ COM A LUTA QUE MUDAMOS A VIDA!

Arriba camaradas!

Se fechar, vamos ocupar! Estudantes de SP dão o exemplo: ação direta contra o fechamento de turmas e escolas!

Já são seis escolas ocupadas em São Paulo contra a reorganização e o fechamento de turmas e colégios. As/os estudantes secundaristas sabem que só a ampliação da luta radical trará conquistas e permanecem nas ocupações, rodeadas de fardados da sangrenta PM paulista mas também de vigílias e acampamentos das comunidades e outros movimentos sociais. A justiça burguesa já autorizou a reintegração de posse na primeira escola ocupada- E.E. Fernão Dias – e a grande mídia prepara o terreno pra fazer a repressão descer mais suave na opinião pública.

12239726_719703664830048_7361923346335918680_n

Os/as secundaristas tem construído um movimento autônomo e combativo, com diálogo com a comunidade e disposição pra radicalizar. As escolas ocupadas – E.E. Castro Alves, E.E. Diadema, E.E. Fernão Dias (Pinheiros), E.E. Heloísa Assumpção (Osasco), E.E. Salvador Allende (Conj. José Bonifácio) e E.E. Valdomiro Silveira (Santo André) – precisam ser rodeadas de solidariedade, atenção e entusiasmo!

No Paraná, o governo do Estado também tentou instituir um projeto de “restruturação”, que fecha turmas e escolas em nome dos cortes de orçamento na educação. Houve mobilizações que fizeram o Estado recuar, mas é possível que os fechamentos de turmas e escolas voltem no ano que vem. A grande mídia já sinalizou que apoiará o fechamento das escolas e pede do Estado um plano mais palátavel*. Se acontecer, já sabemos nossa resposta: OCUPAR PRA NÃO FECHAR!

11219005_720321494768265_4468297823570047513_n

565465-970x600-1

12247185_1662969500620632_4681684833491957939_n

AMPLIAR A OCUPAÇÃO DAS ESCOLAS EM SP!

SE FECHAR NO PARANÁ, VAMOS OCUPAR!

NÃO TEM ARREGO!

*Como consta publicamente neste terrível editorial: http://www.gazetadopovo.com.br/vida-e-cidadania/fechar-escolas-so-com-um-plano-maior-56jpvu46oeyyslborbp02wdrp

Reitoria da UFPR Ocupada!

O comando de greve dos estudantes da UFPR tentou hoje, dia 31 de agosto, continuar a negociação das pautas estudantis. Houve uma assembleia geral dos estudantes seguida de um ato para pressionar a negociação. Buscamos barrar os cortes orçamentários advindos do ajuste fiscal e defender a universidade pública e de qualidade. É importante salientar que esse processo de negociação vem acontecendo desde o começo do ano com a Frente de Mobilização do Estudantes do Paraná (FMEP) pois entendemos que só a organização coletiva dos/as diretamente implicados muda a vida. A reitoria, infelizmente, dificulta nossos avanços por meio de sua postura autoritária e burocrática, retrocedendo e não assinando nenhum documento garantindo aquilo com o qual verbalmente se comprometeram na última negociação.  Em virtude dessa postura não dialogável, foi decidido pressionar por meio de uma ocupação do prédio administrativo da reitoria.

Entendemos que nenhuma conquista vem de cima. Se hoje nossa educação ainda é pública, foi devido à organização coletiva e combativa dos/as de baixo. Assistência estudantil não é uma brincadeira e nenhuma esmola, é a resistência daqueles/as que são ameaçados a abandonar seus cursos pela falta de políticas públicas.

Uma ocupação é um meio de pressionar e garantir condições mínimas para o funcionamento da universidade.  Ela serve como um instrumento de luta legítima para pressionar a reitoria quando ela se nega a avançar nas nossas pautas. Pois de todas as possibilidades, ficar parado frente ao que nos assola é a que menos faz sentido. Somente através de ações diretas como essas tomamos a história em nossas mãos e nos provamos sujeitos ativos da luta. Pois quem não se organiza, é organizado por alguém.

Defendemos que essa organização se dê de forma horizontal e autogestionada. Ou seja, que ela tenha como princípio que todos tenham voz e participem ativamente das decisões do movimento. Quando os de baixo se movem, os de cima tremem.

SÓ A LUTA MUDA A VIDA! RUMO A NOVOS AVANÇOS!

greve ufpr

Nota de Apoio à Ocupação da Reitoria da UEL

Na última segunda-feira(22/06) mais um duro golpe foi aplicado aos servidores e servidoras do Paraná: o projeto de reajuste salarial defendido pelo governo do estado foi aprovado, em detrimento aos 8,17 % de aumento, pauta defendida pelos trabalhadores e trabalhadoras do funcionalismo público e que era a principal pauta da greve de docentes e servidores/as das universidades estaduais. No dia seguinte a votação, professores e agentes da Universidade Estadual de Londrina(UEL) realizaram assembleia na qual foi votada pela maioria a saída da greve. E esse parece ser o caminho a ser seguido no decorrer da semana pelas demais universidades do estado.

Porém, os/as estudantes da UEL apontam para outro caminho, o da resistência. A greve estudantil possui pautas mais amplas, se colocando contra a precarização da universidade pública e defendendo, dentre outros tópicos, políticas de apoio à permanência estudantil, como a contratação de servidores/as para o Restaurante Universitário, a abertura do RU aos finais de semana e a ampliação do Centro Estadual de Educação Infantil, para permitir que filhos e filhas de estudantes e funcionários/as possam usufruir do serviço. Em assembleia histórica, as/os estudantes deliberaram pela continuidade da greve estudantil e pela ocupação da reitoria da universidade, mantendo-se em estado de assembleia permanente.

Somente a organização, a mobilização e a Ação Direta poderão fazer com que estudantes e trabalhadores avancem na conquista de seus direitos. Que a luta das/dos estudantes da UEL sirva de exemplo e inspiração nesse momento em que os desmandos e a truculência dos de cima tem prevalecido.

TODA SOLIDARIEDADE AS/AOS ESTUDANTES DA UEL!

VIVA A AÇÃO DIRETA!

LUTAR! CRIAR! PODER POPULAR

[RP – Alagoas] QUILOMBOLA Nº1 – 2015 – Ocupar ruas e praças, pelo direito à cidade

Retirado de: http://resistenciapopular-al.blogspot.com.br/2015/03/quilombola-ocupar-ruas-e-pracas-pelo.html

Ocupar ruas e praças, pelo direito à cidade

Desde que os seres humanos desenvolveram a habilidade de caminhar sobre duas pernas iniciaram um processo de exploração e ocupação de novos territórios. Seja para fins de alimentação ou abrigo, a ideia de que nós poderíamos ir aonde nossas pernas permitisse já existia – mesmo que inconscientemente. E a partir disso nos foi possível adequar a natureza às nossas necessidades e desenvolver meios de socialização para além do uso da terra para o trabalho; surgem então as práticas de lazer – jogos, corridas, etc.

Percebemos, então, que desde os primórdios – e isso foi se refinando com o desenvolvimento intelectual – os humanos buscavam exercer seu direito de ir e vir e usar a terra para diversos fins. No entanto, na mesma medida em que se buscava usar a terra livremente, existiam outros que quiseram – e tiveram esse poder – de usar a terra como propriedade privada.

Desse modo, a terra possuía um dono, que restringia seu uso e ocupação por quem necessitava. De outras maneiras isso se mantém atualmente nos espaços urbanos em que vivemos. O direito à cidade é o direito de ocupar os espaços da rua, da praça, do bairro, etc… O geógrafo urbano David Harvey afirma que o direito à cidade é um direito “inalienável”, ou seja, um direito do qual não podemos abrir mão e é entendido como essencial para se garantir o pleno acesso à cidade e à efetivação de outros direitos, como saúde, educação, cultura, etc. Para isso, considera-se essencial democratizar os espaços de lazer. Exercer o direito à cidade significa assumir a nossa responsabilidade no processo de produção e de transformação da cidade. Discutir mobilidade urbana e direito à cidade significa problematizar a realidade de injustiça, opressão, agressão e exclusão que permeia o cotidiano das cidades e seleciona de forma hierarquizada (e elitista) os que podem ou não desfrutar e exercer efetivamente o direito à cidade. Significa discutir sobre que tipo de cidade queremos: uma cidade projetada na escala humana ou na escala do capital? Os bairros nobres são atendidos por toda a sorte de serviços, escolas, quadras poliesportivas, hospitais, uma infinidade de locais para o lazer e a prática de esportes, enquanto que na periferia a realidade é outra, completamente oposta, em que mal existe sistema sanitário, com as ruas tornando-se lama quando chove e a principal prioridade é o posto policial para “garantir a segurança”. Na periferia quem garante os espaços de lazer é a própria comunidade, transformando um terreno abandonado em campinho de futebol ou utilizando uma rua pouco movimentada para dar um “rolé” de skate. Mas se uma determinada área periférica desperta o interesse das elites, elas logo se encarregam de toma-las para si, como foi o caso da desocupação do pinheirinho em São Paulo e como está sendo na questão da vila dos pescadores de Jaraguá.

Há no debate de direito à cidade um pano de fundo também para a discussão do que diz respeito à mobilidade urbana, o direito de se deslocar pela cidade e acessar aos diversos serviços que ela oferece. E dentro desse debate encontramos também a desigualdade social como ponto central para a discussão. É necessário se deslocar à escola, ao centro de saúde, ao cinema, ao local de trabalho, etc. O debate sobre a mobilidade urbana versa, dessa forma, sobre a garantia de condições necessárias à utilização dos serviços, como também sobre os obstáculos a essa utilização. Os altos preços da tarifa de ônibus, a falta de estrutura para meios de transporte alternativos, como as ciclovias, são obstáculos à utilização dos serviços acima referidos.

Aqui mesmo na zona sul é possível encontrar um exemplo latente de restrição ao direito a cidade: é o caso dos que andam de skate, esporte bem tradicional por aqui; todos os dias basta percorrer as ruas e as praças do bairro do Vergel do Lago e adjacências para encontrar com a galera praticando o esporte, não porque há incentivo para a prática, pelo contrário, a estrutura é zero, mas porque a rapaziada se organiza e improvisa os obstáculos. Bem diferente da realidade dos bairros nobres da cidade que contam com pistas bem estruturadas – dos quatro principais locais para a prática do esporte, três estão localizados em bairros nobres e apenas um na periferia, que é o caso da rampa do Biu –, ou seja, como dito anteriormente os bairros nobres são atendidos por toda a sorte de serviços. Aqui na zona sul o pessoal teve que lutar para conseguir fechar uma rua à noite para poder praticar o esporte.

Família PST, que marca presença forte nas praças da Zona Sul
     “Infelizmente aqui em Maceió nosso esporte não é tão valorizado. Os melhores locais para os rolês são na pista da Pajuçara e na praça do skate e até mesmo lá existem vários buracos na pista e poucos obstáculos, dificultando o rolê da galera e a evolução”. É o que afirma Samuel Rodrigues, morador da Zona Sul e praticante do esporte. Afirma ainda que a prefeitura, através da secretaria de esporte, decretou a praça do Rui Palmeira como sendo praça do esporte e do lazer mas só o que encontramos ao ir a praça são duas placas da prefeitura que servem apenas para sinalizar que a rua está fechada. “O bob é um cara da região que tem uma loja de skate e vem fazendo muito pelo esporte, foi ele quem, praticamente, ressuscitou o esporte na Zona Sul, sempre nos reunimos para fazer obstáculos novos, inclusive fizemos uma pequena pista próximo ao milénio onde praticamos contemplados pela Lagoa Mundaú’’, completa ele. Ou seja, se não fosse pela iniciativa da comunidade a prática do skate na Zona Sul seria praticamente nula.
Rolê na praça dos pobres
     O movimento do skate tem um grande histórico de lutas e resistência na busca pelo direito à cidade, já que o esporte enfrentou diversas proibições e por conta disso ainda hoje é taxado como um esporte marginal. Ao longo de sua história o skate se tornou, sem dúvidas, o esporte mais urbano que existe. Nas ruas, os skatistas fazem suas próprias rampas e ocupam as cidades usando-as como um grande skate Park. O mais urbano dos esportes aproximou-se de outra cultura igualmente urbana, o Hip-Hop, com presença forte também aqui na zona sul, aglutinando suas formas de expressão como a arte, a música e a moda, tornando-se uma cultura híbrida e sólida. Os skatistas não praticam somente um esporte, são adeptos a um estilo de vida. A história está ai para nos mostrar que a única forma de conquistar o direito de acesso a cidade é nos organizando e lutando juntos por tais direitos. Essa luta deve ser organizada e protagonizada por nós mesmos, seja na nossa comunidade, na escola ou até mesmo no local de trabalho, pressionando as elites através das diversas formas de mobilização que temos em mãos, partindo das lutas mais locais e imediatas, como a luta por uma praça do Skate aqui na Zona Sul e evoluindo para lutas e conquistas mais amplas, como a mobilidade urbana e o direito a cidade, caso contrário ficarmos a mercê de políticos que surgem de dois em dois anos com suas promessas, pois sabemos bem de que lado eles estão nessa disputa por direitos.