organização

Reitoria da UFPR Ocupada!

O comando de greve dos estudantes da UFPR tentou hoje, dia 31 de agosto, continuar a negociação das pautas estudantis. Houve uma assembleia geral dos estudantes seguida de um ato para pressionar a negociação. Buscamos barrar os cortes orçamentários advindos do ajuste fiscal e defender a universidade pública e de qualidade. É importante salientar que esse processo de negociação vem acontecendo desde o começo do ano com a Frente de Mobilização do Estudantes do Paraná (FMEP) pois entendemos que só a organização coletiva dos/as diretamente implicados muda a vida. A reitoria, infelizmente, dificulta nossos avanços por meio de sua postura autoritária e burocrática, retrocedendo e não assinando nenhum documento garantindo aquilo com o qual verbalmente se comprometeram na última negociação.  Em virtude dessa postura não dialogável, foi decidido pressionar por meio de uma ocupação do prédio administrativo da reitoria.

Entendemos que nenhuma conquista vem de cima. Se hoje nossa educação ainda é pública, foi devido à organização coletiva e combativa dos/as de baixo. Assistência estudantil não é uma brincadeira e nenhuma esmola, é a resistência daqueles/as que são ameaçados a abandonar seus cursos pela falta de políticas públicas.

Uma ocupação é um meio de pressionar e garantir condições mínimas para o funcionamento da universidade.  Ela serve como um instrumento de luta legítima para pressionar a reitoria quando ela se nega a avançar nas nossas pautas. Pois de todas as possibilidades, ficar parado frente ao que nos assola é a que menos faz sentido. Somente através de ações diretas como essas tomamos a história em nossas mãos e nos provamos sujeitos ativos da luta. Pois quem não se organiza, é organizado por alguém.

Defendemos que essa organização se dê de forma horizontal e autogestionada. Ou seja, que ela tenha como princípio que todos tenham voz e participem ativamente das decisões do movimento. Quando os de baixo se movem, os de cima tremem.

SÓ A LUTA MUDA A VIDA! RUMO A NOVOS AVANÇOS!

greve ufpr

Anúncios

Contra a repressão, a organização!

Na madrugada dessa terça-feira vivenciamos um episódio de repressão contra profissionais da educação estadual, acampados em frente à Assembleia Legislativa, por parte do esquadrão de choque. Durante sua ação para remover os caminhões de som, no intuito de enfraquecer o movimento, o Choque nos arrastou e nos agrediu com spray de pimenta. Isso apenas prova qual a sua função: ser o braço armado do Estado!

Esse cenário de repressão vem em um momento onde projetos de lei são votados a toque de caixa pelos congressos federal e estadual. O PL 252, que busca confiscar a previdência dos servidores e o PL 4330, que vem para terceirizar as atividades-fim, são duas expressões de um mesmo momento político. E vimos, nos dois casos, que se esperarmos dos deputados, sejam “amigos ou inimigos”, qualquer projeto que ataque os direitos da classe trabalhadora será aprovado. Não podemos esperar que os governantes garantam nossos direitos.

Nos dias 10 e 12 de fevereiro, quando ocorreu a primeira tentativa de confisco da previdência, ou quando os estudantes e trabalhadores da educação barraram o projeto que visava a “autonomia financeira da universidade”, o que abre margem para a universidade pública cobrar por seus serviços, vimos qual foi o caminho que nos levou a vitória: a ação direta.

Nossa força está na nossa organização!

Às ruas! À luta!

Confira o Vídeo feito na madrugada de hoje – 28/04/2015

Bombas de efeito moral e gás lacrimogênio sendo lançadas contra professores, na manhã de hoje (28/04/2015)

Bombas de efeito moral e gás lacrimogênio sendo lançadas contra professores, na manhã de hoje (28/04/2015)

[RP Sindical – RS] Terceirização: Mais exploração e retirada dos direitos trabalhistas

Retirado de: https://www.facebook.com/rpsindical/photos/a.1426410284295321.1073741827.1426407787628904/1577482789188069/?type=1&fref=nf

A PL 4330 é um projeto de lei, recentemente aprovado na Câmara dos Deputados, que permite que a terceirização ocorra de forma irrestrita, ou seja, que todos os serviços possam ser subcontratados pelas empresas. Isso inclui a “terceirização da atividade-fim”, a atividade principal de uma empresa (antes da PL somente era permitido a atividade-meio).

Como ocorrerem os subcontratos?: A terceirização já uma realidade em boa parte dos setores de serviços, impondo um regime de extrema exploração aos trabalhadores. Esse tipo de contrato se dá através de uma terceira empresa que faz o vínculo entre o trabalhador e a empresa onde exerce sua função.

Algumas consequências às condições de trabalho:

1) As empresas terceirizadas costumam não pagar inúmeros direitos e no caso, da “pejotização” (criação de pessoas jurídicas), os DIREITOS TRABALHISTAS, como férias e 13° salário, não serão respeitados. Como a empresa que emprega não é a que recebe os serviços (ao menos formalmente, pois não faltam casos de “laranjas”) é regra e não exceção que se faça vistas grossas aos atrasos e desmandos contra os trabalhadores terceirizados.

2) Redução salarial: segundo o Dieese, o salário de trabalhadores terceirizados é 24% menor do que o dos empregados formais. Em alguns casos, como nos bancos, chega a ser 70% menor.

3) Divisão dos trabalhadores em diferentes sindicatos, acarretando perda do poder de mobilização e luta. Além disso a grande maioria dos sindicatos que representam terceirizados são “sindicatos patronais”, formados e controlados pelas empresas prestadoras de serviços. Assim, não só dificultam a luta dos terceirizados como assinam acordos que prejudicam ainda mais estes trabalhadores para beneficiar as empresas.

4) Perda da estabilidade: O PL 4330 incentiva rotatividade dos trabalhadores. Demitir para não acumular direitos trabalhistas e recontratar com salários ainda piores é uma das regras das empresas terceirizadas. Abre-se ainda mais a brecha para que os concursos públicos sejam substituídos por contratação de trabalhadores vinculados a empresas tercerizadas, o que já acontece em diversas áreas, como limpeza e alimentação nas escolas e universidades por exemplo.

5) Saúde do trabalhador: o trabalhador terceirizado está sujeito a condições de trabalho muito mais precárias. Hoje, a cada 5 mortes por acidente de trabalho, 4 são de trabalhadores terceirizados. O assédio moral, também é muito maior quando se trata de trabalhadores terceirizados e as jornadas de trabalho por vezes chegam a 12, 14 horas por dia acarretando diversos problemas de saúde, como estresse, ansiedade e depressão. Os trabalhadores não são mais encarados enquanto tais, mas sim como “colaboradores”.

Lutar desde as bases contra a terceirização

A aprovação da PL 4330 significa a precarização das condições de trabalho e a flexibilização dos direitos. A terceirização deve ser combatida em prol de empregos estáveis e com direitos e não regulamentada como querem os patrões.

Nesse momento, é muito importante a organização e mobilização de toda classe trabalhadora: efetivos e terceirizados. Busque construir formas de paralisação, organização de debates, concentração em espaços públicos, panfletagem, participação dos atos agendados. Em seu local de trabalho, discuta os efeitos da terceirização, mobilize seus colegas e manifeste sua rebeldia!

A maioria das centrais sindicais convocam para o dia 15/4 mobilizações por todo o país contra a PL 4330. É importante que tomemos parte nessas mobilizações desde cada local de trabalho. Mas não devemos nos contentar com isso! Cabe a todos nós seguirmos a luta para além do dia 15/04, sem confiar em nas centrais governistas que também convocam os atos (caso da CUT e CTB por exemplo). Infelizmente, estas centrais estão mais preocupadas em negociar o PL, buscando “sensibilizar” parlamentares, ministros do TST, STF e a presidente Dilma/PT para vetar o PL.

Sabemos que tudo isso não passa de enrolação! É urgente fortalecer a luta das diversas categorias que começam a se levantar, entre elas trabalhadores terceirizados na limpeza da UFRGS e no município de POA. Fortalecer desde cada local de trabalho nossa organização e luta contra os ataques de patrões e governos, buscando unificar as lutas é a única possibilidade de termos uma grande onda de lutas contra a terceirização que possa culminar em uma greve geral.

É desde cada local de trabalho, debatendo pacientemente e envolvendo colega por colega nessa necessária e urgente luta que conseguiremos barrar este ataque brutal dos patrões contra nós, trabalhadores.

Não aceitamos nenhum direito a menos!
Basta de terceirização e empregos precários!
Basta de salários defasados e assédio moral.

Resistência Popular – Tendência Sindical

 

[Curitiba] GEA – Grupo de Estudos de Autogestão – 08-04-15

O Coletivo Quebrando Muros, está retomando os encontros do GEA (Grupo de Estudos de Autogestão) em Curitiba nesse ano de 2015, que se propõe a estudar uma forma de organização social não autoritária.

Dando sequencia às discussões do ano passado, sugerimos a leitura da segunda parte da cartilha “CAPITALISMO, ANTICAPITALISMO E ORGANIZAÇÃO POPULAR” produzida pelo Movimento dos Trabalhadores Desempregados. Disponível em https://quebrandomuros.files.wordpress.com/2010/06/cartilha_anticapitalismo-e-organizac3a7c3a3o-popular.pdf

O encontro acontecerá na quarta-feira (08/04) na sala 507 do prédio D. Pedro II na Reitoria da UFPR, às 18h30.

Evento no Facebook: https://www.facebook.com/events/1408029432847284/

Contamos com a presença de todxs

cartilha-mtd

CARTA CONVOCANDO ESTUDANTES DAS UNIVERSIDADES ESTADUAIS À LUTA

Dia 25 de fevereiro de 2015 em um ato unificado do funcionalismo publico, xs estudantes de diversas universidades estaduais, com apoio da UFPR, escreveram esse documento destinado às bases do movimento estudantil:

“Após uma grande passeata dxs servidorxs públicxs do estado do Paraná em conjunto com xs professorxs em greve e estudantes das escolas e universidades estaduais que se encerrou em frente ao Palácio do Iguaçu, nós estudantes de diversas universidades estaduais nos reunimos para debater a atual conjuntura dessas instituições bem como as demandas estudantis. Estiveram presente estudantes das seguintes IES Estaduais: UEPG (Centro e Uvaranas), UEM (Maringá, Cianorte e Umuarama), UNICENTRO (Irati e Guarapuava), UNIOESTE (Cascavel e Rondon), UNESPAR (Campus Curitiba 2) além de secundaristas, estudantes de outras instituições de ensino superior público e entidades do movimento estudantil.

Durante o debate foram levantadas várias pautas de cada universidade presente, porém entendemos que por ter sido uma reunião espontânea e auto-organizada, não houve pretensão de alcançar representatividade suficiente nesse espaço para elencar as demandas específicas de cada campus, tendo em vista que houve participação de um pequeno número de estudantes, além da ausência de alguns campi e universidades, como a UEL e a UENP. Por outro lado, houve consenso em algumas pautas gerais como o sucateamento das universidades estaduais, a falta de assistência estudantil e o combate ao projeto de “Autonomia Universitária” apresentada pelo governo Beto Richa (PSDB).

Nesse sentido convidamos todxs xs estudantes para participarem da nossa luta, organizando em suas universidades e em seus campi assembleias e eventos que debatam suas demandas específicas, e que fortaleçam o debate e a luta pelas pautas gerais elencadas nessa carta. Propomos então uma agenda unificada de atos em todos os campi das universidades estaduais para apresentarmos nossas demandas às reitorias/direções e ao governo.”

Curitiba, 25 de fevereiro de 2015.

OBS.: O uso do X nas palavras tem o objetivo de contemplar todas as pessoas, inclusive as que não se identificam no gênero feminino ou masculino.

cqm

AMANHÃ VAI SER MAIOR! – REDUÇÃO DA TARIFA JÁ!

No último dia 10 de Fevereiro de 2015, diversas organizações sociais participaram do 3º Ato Contra o Aumento da Tarifa, organizado pela Frente de Luta pelo Transporte – FLPT. O ato dirigiu-se até a sede da Prefeitura de Curitiba e, diante da não recepção da prefeitura e da não abertura à negociação por parte desta ou de outros entes responsivos, o movimento decidiu, por meio de uma assembleia, acampar em frente ao local e permanecer ali até que o prefeito Gustavo Fruet responda às demandas do movimento.

O ato contou com a participação de aproximadamente 500 pessoas e demonstrou, mais uma vez, tal como na ocupação da Câmara dos vereadores de Curitiba em 2013, a importância de um movimento que se constrói pela ação direta e que não espera dos representantes e da burocracia do Estado para conquistar os seus direitos. É de fundamental relevância também destacar que as decisões tomadas democraticamente por meio da assembleia sejam respeitadas e que todos os coletivos ou organizações que se comprometam a construir a Frente de Luta somem forças nestas medidas, pois somente assim é possível avançar na luta por um transporte verdadeiramente público e de qualidade.

passelivre070215

Outro caráter que também merece destaque é a maior participação das mulheres e demais setores oprimidos dentro do movimento, uma vez que historicamente tais setores possuem menos voz na sociedade. Durante o ato, por exemplo, muitas das falas e palavras de ordem foram feitas por mulheres. Acreditamos que a luta feminista e a luta dos demais setores oprimidos não deva ser pormenorizada, mas pautada lado a lado da luta por melhores condições de vida, como a questão do transporte.

O Coletivo Quebrando Muros, ao longo de sua história, tem participado ativamente da construção do movimento pelo transporte em Curitiba justamente por acreditar que é somente pela ação direta e organização constante que avançaremos com os nossos objetivos. LUTAR! CRIAR PODER POPULAR!

cqm

A NOSSA LUTA É TODO DIA, TRANSPORTE PÚBLICO NÃO É MERCADORIA!

POR UMA VIDA SEM CATRACAS

REDUÇÃO DA TARIFA JÁ!

A Outra Campanha: política para além das eleições!

71e4e-banner2baoc2bbrasil

Mais um ano de eleições! Cavaletes estão armados pelas ruas, placas e faixas a postos, santinhos e adesivos espalhados… as caras e os números dos candidatos estão de volta. É a hora da velha história de renovação na política, de ouvir sobre “o que foi feito” e sobre as grandiosas promessas de mudanças para o futuro. Nas eleições, o povo costuma se posicionar de duas maneiras diferentes: ou acredita nas propostas de um representante, confia seu voto nele e até mesmo faz campanha, ou se afasta de qualquer assunto relacionado à política, deixando de se manifestar por considerá-la uma atividade corrupta e ineficiente.

As eleições são um momento de efervescência política e precisamos olhá-las para além das aparências. A postura de rejeição e ódio à política é favorável aos poderosos, pois se você deixa de se posicionar sobre os temas da vida pública, alguém cheio de interesses se posicionará no seu lugar, tomando decisões em seu nome. Por outro lado, confirmar o voto na urna não garante que o representante defenderá os interesses de seus eleitores. E por que isso, afinal? Porque a política e o poder não são exercidos somente pelas figuras que são eleitas pelo voto.

O voto popular não é nem de longe a principal fonte do poder na democracia representativa. As eleições já são “decididas” antes mesmo do povo votar. Pode parecer estranha tal afirmação, mas se vermos quem são os grandes apoiadores de candidaturas poderemos perceber quem manda mesmo nesse tipo de política: são as grandes empresas, donos de latifúndios e os poderosos que financiam as campanhas eleitorais e seus partidos!

Historicamente, a ocupação dos cargos políticos busca apenas a obtenção de novos privilégios para velhos privilegiados: grandes empresas, grandes proprietários de terras, meios de comunicação, bancos, caciques políticos, grupos organizados de gente poderosa e farta de grana que patrocinam os políticos profissionais para representarem os interesses deles! Vencer uma eleição custa caro, o que faz dela um grande balcão de negócios. Assim os representantes eleitos, ao longo dos mandatos, têm o compromisso prioritário com aqueles que os bancam nas eleições e não com os trabalhadores que depositam seu voto e que acabam acreditando em suas propostas.

marionetes

Alguns partidos e candidatos buscam representar o povo através dos movimentos sociais, que são segmentos do povo organizados em torno de suas necessidades, sejam elas transporte, terra, moradia, educação, saúde, emprego digno ou outros. É o caso do PT, que surgiu da união de vários movimentos sociais. Ao longo dos anos, para conseguir ganhar eleições e ocupar o Estado, o partido se aliou a gente casca grossa do poder e fez muitas negociações, dando muito mais assistência para os ricos do que para os pobres. 

Os movimentos populares, depois que o PT chegou ao poder se burocratizaram, passaram a servir aos interesses dos representantes ao invés de fazerem luta de classes. Os sindicatos, associações de moradores e o MST elegeram muitos representantes, especialmente Dilma e Lula, mas os salários, reforma agrária e urbana e os serviços públicos não aconteceram como o povo queria. Os ricos ficaram ainda mais ricos nos 12 anos de PT, mas as políticas sociais foram paliativas e as reformas estruturais que os movimentos demandavam não foram realizadas. Ou se está do lado do povo, da classe trabalhadora e oprimida, ou se está do lado dos empresários e latifundiários, classe burguesa. 

Se houve alguma melhora foi porque existiu muita luta e não pela vontade individual deste ou aquele político. E as possíveis melhoras não deixam de vir acompanhadas de muitos ataques como a venda de recursos naturais, privatizações, piora dos serviços públicos, uso do dinheiro público para financiar grandes negócios e uma série de medidas que agradam os mesmos de sempre. O povo só resiste a esses ataques quando têm a democracia em mãos. A verdadeira democracia não se faz nas urnas, mas na luta constante dos movimentos populares por seus direitos. Essa é democracia direta, onde não há a necessidade de representantes ou líderes soberanos, que de seus gabinetes irão escolher os destinos do povo. A ação política direta é a arma da população para transformar a realidade imposta.

aoc

Uma das grandes experiências de poder popular vem das comunidades Zapatistas, no México. Desde 2006, os zapatistas desenvolvem “A Outra Campanha”, uma alternativa às eleições representativas. Partindo de uma linha claramente de esquerda e anticapitalista, “A Outra campanha” baseia-se na consulta e no diálogo direto com a população, na descentralização da prática política e no estímulo a formas autônomas de organização e cooperação. Políticos profissionais e pequenos grupos de líderes são vistos como desnecessários: é de baixo – ou seja, do povo organizado – que vem as reivindicações, propostas e ações. Um modo horizontal e autogestionário de se fazer política. Tal prática sedimentou-se não apenas nas comunidades zapatistas, onde o legado é visível na criação de espaços autônomos (como escolas e hospitais) geridos pela própria população, sem intermediários. Ela espalhou-se pelos mais diversos cantos do mundo, onde se consolidou como uma alternativa crítica à grande farsa das eleições e da democracia representativa.

Seja com candidatos “progressistas” ou com os velhos coronéis, as eleições foram, ao longo da história, ineficazes para resolver os problemas do povo e realizarem mudanças verdadeiras e profundas na sociedade. Pelo contrário, elas tendem a manter o sistema como ele é. Que em tempos de promessas, santinhos e discursos falsos e vazios, possamos tomar o exemplo dos companheiros zapatistas e pensarmos em uma Outra Campanha, em uma outra forma de se pensar e fazer política: uma forma de organizar, lutar e criar o Poder Popular, abaixo e à esquerda!

O POVO ORGANIZADO GOVERNA SEM ESTADO!